Fiéis participam de culto com máscara em meio a pandemia do coronavírus
Fiéis participam de culto com máscara em meio a pandemia do coronavírus

Um relatório do governo estadual do Arkansas, nos EUA, sobre a disseminação do COVID-19 colocou as igrejas como fontes de infecção. O relatório foi publicado em 26 de junho pelo Departamento de Saúde do Arkansas (ADH, sigla em inglês).

O diretor executivo da Convenção Batista do Estado de Arkansas, JD “Sonny” Tucker, disse que acredita que o relatório escolhe injustamente as igrejas como fontes de infecção.

Tucker enviou recentemente um e-mail de denúncia ao governador William Asa Hutchinson e a outras autoridades do estado.

Tucker explicou que questionou o fato de duas igrejas batistas estarem na lista e a culpabilidade das congregações em realmente espalhar o coronavírus entre a população.

“Essas duas igrejas tinham pelo menos 22.000 participantes individuais únicos desde 26 de fevereiro, mas o Departamento de Saúde do Arkansas os colocou na lista por ter quatro pessoas presentes (uma família de três em uma igreja, uma pessoa na outra) que mais tarde deram positivo para o vírus”, afirmou Tucker.

“Essas duas igrejas em particular, assim como várias outras igrejas da Convenção Batista do Arkansas, forneceram uma quantidade incrível de apoio ministerial aos moradores de Arkansas durante esta pandemia, forneceram milhares e milhares de refeições, serviram suas comunidades através dos esforços de ajuda em desastres e serviram primeiro socorristas e a comunidade médica.”

Tucker achou que “selecionar igrejas é injusto e prejudicial”, acrescentando que “o governador Hutchinson graciosamente estendeu a mão para ambas as igrejas e também afirmou que não pretendia que a lista de igrejas fosse publicada”.

“Nossas igrejas são gratas pela proteção que o governador forneceu às igrejas e a maioria tem se esforçado para atender ou exceder as diretrizes para proteger aqueles que visitam nossas igrejas”, continuou Tucker.

As duas igrejas batistas listadas pelo departamento de saúde eram Cross Church, no noroeste do Arkansas, e Central Baptist Church em Jonesboro.

Havia 44 igrejas listadas pelo departamento, cada uma com apenas alguns casos do COVID-19.

“Não gosto do fato de a mídia ter apresentado as informações como se houvesse um agrupamento em uma igreja em particular ou de terem sido descuidadas”, disse Hutchinson ao Democrat-Gazette. “Esse não é o caso.”

As locais de culto têm sido fonte de controvérsia para os estados, à medida que reabrem gradualmente após o fechamento de reuniões públicas no início deste ano para ajudar a conter a propagação do coronavírus.

Na semana passada, a Primeira Igreja Batista de Tillmans Corner, no Alabama, anunciou que estava voltando aos cultos somente on-line depois de se reunir para o culto presencial por algumas semanas, devido a um “pico” nos casos do COVID-19 entre os participantes.

“Não queremos ver nenhum membro da nossa família de fé sofrendo de uma infecção por COVID-19, e queremos fazer nossa parte para conter esse pico o máximo possível”, disse o pastor Derek Allen, da Primeira Igreja Batista de Tilmans Corner.

Folha Gospel com informações de The Christian Post