A antecipação da Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro de 2014 para 2013 precipitou a decisão do papa emérito Bento 16 de anunciar sua renúncia, revelou seu secretário particular à imprensa alemã.

A mudança de data foi feita para que não coincidisse com a Copa do Mundo no país.

“Aconteceu exatamente dessa forma”, afirmou o arcebispo Georg Günswein ao jornal bávaro “Süddeutsche Zeitung”.

O papa alemão Bento 16 tomou a decisão de renunciar ao posto –um ato histórico– em agosto de 2012 e comunicou ao seu secretário em dezembro do mesmo ano.

Ele queria que seu sucessor participasse da JMJ na cidade do Rio de Janeiro.

“Minha reação espontânea foi de dizer ‘Não, Santo Padre, você não tem esse direito’. Mas essa seria uma reação afetiva, e muito rapidamente compreendi que ele me dizia isso porque já havia tomado sua decisão”, explicou o arcebispo.

O papa revelou sua decisão para apenas quatro pessoas.

“Ele me fez prometer manter a notícia sob segredo papal. Você pode imaginar que não foi fácil e que houve situações em que eu estava quase rasgado internamente”, contou.

Os cardeais presentes durante o anúncio feito pelo papa, feito em latim, levaram algum tempo para compreender o que estava acontecendo, acrescentou.

“Alguns rostos estavam petrificados, outros incrédulos, confusos, chocados. Eles se entreolharam perguntando ‘é isso mesmo o que eu entendi?”.

O exemplo de João Paulo 2º, que concluiu seu ministério na doença e sofrimento, foi fundamental para a sua decisão.

“Continuar como o seu antecessor fez, ou mesmo imitá-lo, não era o estilo dele”, disse.

[b]Fonte: AFP[/b]