O jornal Estadão Online atribuiu ao pastor Silas Malafaia (foto) uma fala que ele não disse: que a união homoafetiva é crime.

Depois da manifestação pacífica evangélica em Brasília, considerada a maior depois das “Diretas Já”, o pastor e organizador do protesto, Silas Malafaia se pronunciou sobre a imprensa ter reproduzido fala ‘mentirosa’ dele em sua publicação.

A reportagem foi a do Estadão Online que deu o título a uma matéria de “Em ato contra gays, Silas Malafaia diz que união homoafetiva é crime”.

Durante o seu discurso, entretanto, o líder evangélico não afirmou isso em nenhum momento. Ao invés disso, o pastor afirmou que não aceitava que a sua opinião fosse criminalizada, referindo-se ao PL 122, que visa criminalizar a homofobia.

“Estadao publica que eu disse q a uniao homoafetiva é crime. MENTIRA!” expressa o pastor em seu Twitter.

Silas Malafaia aponta também que o Estado de Minas teria publicado notícia com título tendencioso.

Por outro lado, o pastor evangélico deu nota ’10’ para outros meios de comunicação, como a Globo e a Folha de SP, por terem noticiado sobre o evento.

“Mesmo nao dando numeros exatos da manifestacao, nota 10 para os jornais oglobo, folha, e correio braziliense. Nota ZERO para o Estadao.”

Durante a manifestação, o líder evangélico fez duras críticas à imprensa, da qual alega que grupos “esquerdopatas” a estariam controlando.

Ele conclamou por uma imprensa livre e disse que ele pode criticar o que quiser pois está garantido na Constituição, em seu direito de liberdade de expressão.

“Senhores da imprensa, nós, que somos chamados de fundamentalistas, queremos uma imprensa livre até para falar mal de nós.”

“Nós não queremos cercear imprensa, não. Agora, eu fico vendo esses esquerdopatas, que querem o controle da mídia para controlar o conteúdo… Eles estão pensando que o Brasil é Nicarágua, Venezuela, Bolívia, Equador e Argentina. Aqui, não! Imprensa livre, sempre livre!”

“Os esquerdopatas (…) querem um marco regulatório para controlar a imprensa e controlar o estado e a sociedade. Querem botar a mão na nossa voz. Ninguém vai calar a nossa voz. Para calar a nossa voz vai ter que rasgar a Constituição do Brasil.”

Também em crítica à imprensa, o colunista da Veja comentou sobre o tratamento quanto aos evangélicos. Segundo Reinaldo Azevedo, a imprensa pouco abordou sobre o assunto, mesmo o evento tendo reunido cerca de 70 mil pessoas.

Entre outras coisas, o colunista ressaltou a omissão da imprensa quanto às críticas feitas pelo pastor Silas Malafaia aos acusados do mensalão, e o coro dos milhares de manifestantes pedindo cadeia para a quadrilha.

[b]Fonte: The Christian Post[/b]