A Suprema Corte Constitucional do Egito determinou neste domingo (02), que o parlamento ou Conselho de Shura e o painel constitucional do país foram ilegalmente eleitos, o que representa um sério revés legal para a manutenção do poder dos islâmicos no país.

Segundo a decisão do órgão, o parlamento não será dissolvido até a realização das eleições da câmara baixa, que foi também foi dissolvida, no fim deste ano ou no início de 2014.

A decisão deve prolongar o processo de transição política que se seguiu à derrubada do líder autoritário Hosni Mubarak, há dois anos. As informações são da Associated Press(agência de notícias norte-americana), reproduzidas pelo Estadão aqui.

“O Egito vive um momento crucial”, diz líder cristão copta
Sexta-feira (31), dois dias antes da decisão da Suprema Corte, a Portas Abertas trouxe à tona a seguinte reflexão sobre o país: “Será o extremismo religioso ou a tolerância que marcará o futuro do Egito? De acordo com o bispo Thomas, da diocese de El-Qussia e Mair no Alto Egito, uma ‘grande força’ está levando a nação egípcia rumo a um maior conservadorismo e extremismo religioso”. Leia o relato completo aqui.

O Egito ocupa o 25º lugar na Classificação de países por perseguição.

[b]Fonte: Portas Abertas e O Estado de S.Paulo[/b]