Criancas refugiadas no Iraque
Criancas refugiadas no Iraque

Quatro membros da organização não-governamental francesa “Cristãos do Oriente Médio”, uma instituição de caridade que busca “ajudar as comunidades cristãs a permanecer (na região) e a se reconstruir”, desapareceram enquanto trabalhavam em Bagdá.

Os quatro membros da instituição de caridade desapareceram perto da embaixada francesa na capital iraquiana em 20 de janeiro, disse o diretor dos cristãos do Oriente Médio Benjamin Blanchard em uma entrevista coletiva em Paris na sexta-feira.

Três dos trabalhadores desaparecidos são franceses e um é iraquiano, acrescentou. Não houve pedidos de resgate e a instituição pediu que suas identidades permanecessem ocultas por razões de segurança.

A instituição trabalha com cristãos perseguidos no Iraque desde 2014, quando os jihadistas do Estado Islâmico tomaram a província predominantemente cristã de Mosul, deslocando dezenas de milhares. O grupo também atua na capital curda do Iraque, Arbil, onde muitos cristãos procuraram refúgio.

Os trabalhadores desaparecidos estavam em Bagdá “para renovar seus vistos e registrar a associação com as autoridades iraquianas”, disse Blanchard, e deveriam inspecionar as atividades do grupo na cidade, incluindo a abertura de uma nova escola.

Eles deixaram o hotel de carro para uma reunião “que não apresentava problemas”, disse Blanchard, descrevendo os homens como “funcionários experientes que trabalham conosco há anos” e que têm “conhecimento perfeito das zonas de conflito”.

No Twitter, os cristãos do Oriente Médio compartilharam fotos de pessoas de todo o mundo que se reuniram para orar pela recuperação segura dos trabalhadores desaparecidos.

“Hoje, ofereceremos a Deus nosso Pai, uma missa especial, pela segurança e pelo retorno de nossos amados quatro irmãos. Reunimos todos os nossos corações, mentes, almas e orações por UMA INTENÇÃO: O retorno seguro a nossos quatro irmãos amados ”, diz uma publicação.

A agência de notícias secular AFP, que é parcialmente financiada pelo governo francês, alega que a organização cristã é “fortemente crítica ao Islã, retratando-a como uma ameaça ao cristianismo no Oriente Médio”.

O desaparecimento dos trabalhadores da ajuda humanitária ocorre quando os sequestros se tornaram comuns no Iraque, segundo o grupo de vigilância  internacional Christian Concern.

O grupo relata que a presença militar dos EUA no Iraque também se tornou cada vez mais indesejada após um ataque de drone dos EUA que matou Qasem Soleimani, comandante da Força Quds iraniana, ao lado de Abu Mahdi al-Muhandis, vice-comandante de milícias apoiadas pelo Irã no Iraque, conhecido como Forças de Mobilização Popular e cinco outras em Bagdá em 3 de janeiro.

No início deste mês, Louis Raphael Sako, Patriarca Católico Caldeu de Bagdá, pediu aos cristãos e muçulmanos no Iraque que orem por seus líderes. 

Em sua homilia, Sako descreveu a situação no Iraque e no Oriente Médio como um “vulcão prestes a entrar em erupção” e instou os cristãos a rezar e pressionar para evitar uma maior escalada das tensões em curso, observando que pessoas inocentes serão o combustível para esse “incêndio”.

A Portas Abertas classifica o Iraque em 15º lugar na sua Lista Mundial da Perseguição dos 50 países onde é mais difícil ser cristão. Segundo o grupo, embora o grupo terrorista do Estado Islâmico tenha perdido território no Iraque, sua ideologia permanece e influenciou a sociedade. Muitos dos militantes, diz, “simplesmente se misturaram de volta à população em geral”.

Folha Gospel com informações de The Christian Post