Cristãos durante Culto na Argélia. (Foto: Reprodução/SAT-7)
Cristãos durante Culto na Argélia. (Foto: Reprodução/SAT-7)

Os cristãos da Argélia foram expulsos de suas igrejas na quarta-feira (16) pela polícia apenas alguns dias depois que muitos fiéis protestaram contra a repressão do governo às casas de culto.

A Christian Solidarity Worldwide (CSW), organização não governamental com sede no Reino Unido que monitora perseguições em 20 países e tem status consultivo com a ONU, relata que três igrejas cristãs argelinas foram fechadas neste mês.

Segundo a CSW, o número de igrejas que foram fechadas na Argélia até agora este ano aumentou para pelo menos oito.

Desde 2017, ondas de fechamento de igrejas são realizadas pelas autoridades do país de maioria muçulmana com base em uma lei de 2006 que exige que todos os locais de culto não islâmicos sejam autorizados por uma agência do governo nacional.

Os críticos dizem que essa agência, a Comissão Nacional de Adoração Não-Muçulmana, na verdade não se reúne e, portanto, os pedidos para construir novas igrejas não são considerados.

Na quarta-feira, a polícia fechou a Igreja da Luz na cidade de Tizi Ouzou, no norte da Argélia, e expulsou fiéis da igreja.

O fechamento forçado da Igreja da Luz segue o fechamento de duas outras igrejas nesta semana: Igreja Protestante do Evangelho Pleno em Tizi Ouzou e Igreja da Fonte da Vida no subúrbio de Makizda, em Tizi Ouzou.

Salah Chalah, que chefia o grupo de guarda-chuva protestante d’Eglise Protegante d’Algérie, disse ao Morning Star News que recebeu uma ordem do governador de Tizi Ouzou no domingo pedindo o fechamento da Igreja Protestante do Evangelho Pleno.

Chalah argumenta que a ordem do governador de fechar a igreja foi uma retaliação por uma manifestação em protesto contra o fechamento da igreja realizada na sede da província de Bejaia na semana passada. Ele disse que a ordem para o fechamento da igreja foi datada em 9 de outubro, no mesmo dia em que a manifestação cristã foi realizada.

“Depois que Tarek leu a notificação, eles me pediram para assinar, o que eu me recusei a fazer”, disse Chalah ao Morning Star News. “Mas eles disseram que iriam agir de qualquer maneira. Então eu lhes disse: ‘De qualquer forma, em sua chegada, esperaremos por você, o maior número possível, dentro da sala de culto em louvor e oração. Essa é a nossa maneira de se opor às suas ações.'”

Quanto à Igreja da Fonte da Vida em Makouda, a CSW relata que o pastor da igreja, Nour Eddein Bin Zeid, recebeu uma intimação policial na quarta-feira, no mesmo dia em que a igreja foi fechada.

De acordo com a CSW, a Comissão Nacional de Adoração Não-Muçulmana inspecionou todos os locais de culto cristão em Tizi Ouzou em janeiro de 2018. Depois disso, várias igrejas foram ordenadas a interromper as atividades porque eram consideradas ilegais, mesmo que algumas das igrejas estivessem por perto anos.

“Estamos profundamente preocupados com o fechamento da Igreja da Luz, da Igreja do Evangelho Pleno e da Igreja da Fonte de Vida no norte da Argélia”, disse o presidente-executivo da CSW, Merwyn Thomas, em comunicado. “Esses fechamentos violam o artigo 42 da Constituição da Argélia, que declara a inviolabilidade das liberdades de consciência e opinião e garante o livre exercício de adoração a todos os cidadãos.”

A CSW pediu às autoridades argelinas que permitam que as igrejas fechadas reabram e que a polícia pare de assediar a comunidade cristã.

“Também encorajamos a Argélia a revogar a lei de 2006, que criminaliza efetivamente as liberdades de associação internacionalmente reconhecidas e de religião ou crença”, acrescentou Thomas.

De acordo com o grupo de defesa internacional Christian Concern, com sede nos EUA, a maioria das igrejas na Argélia é afiliada à EPA devido ao fato de que a denominação já era legal na Argélia antes da aprovação da lei de 2006, exigindo a aprovação da comissão do governo para construir uma nova igreja. .

Segundo a ICC, a EPA é “a opção mais segura para os cristãos” por causa de seu status previamente aprovado.

Mas o pastor Youssef Ourahmane, vice-presidente da EPA, disse à revista francesa The Free que o governo está tentando fechar o maior número possível de igrejas.

No ano passado, na província de Oran, o governo permitiu que três igrejas fossem reabertas depois de terem sido fechadas meses antes. No entanto, o Morning Star News relata que o governador da província de Oran apresentou uma queixa judicial contra sua reabertura e está exigindo que as igrejas sejam fechadas novamente.

A Argélia, onde os cristãos representam menos de 1% da população do país, está classificada como o 22º pior país do mundo quando se trata de perseguição cristã, de acordo com a lista de observação mundial da Portas Abertas de 2019.

“Leis restritivas que regulam o culto a não muçulmanos, proíbem a conversão e proíbem a blasfêmia colocam os cristãos em risco extremo”, diz uma ficha da Portas Abertas.

Vídeo mostra policiais entrando em uma igreja em Tizi-Ouzou e agindo com violência, enquanto fiéis louvam a Deus:

Fonte: Guia-me com informações de The Christian Post