Imagem mostra praça de São Pedro, em frente à Basílica de São Pedro, no Vaticano, completamente vazia Imagem: Handout/Vatican Media/AFP
Imagem mostra praça de São Pedro, em frente à Basílica de São Pedro, no Vaticano, completamente vazia Imagem: Handout/Vatican Media/AFP

O Vaticano confirmou nesta terça-feira, 24, mais três contágios pelo novo coronavírus, elevando para quatro o número de casos registrados pelo menor país do mundo.

Segundo o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, os três últimos infectados são dois funcionários dos Museus Vaticanos e um colaborador do Escritório de Mercadorias. Já o primeiro é o participante de um congresso realizado no fim de fevereiro.

“As quatro pessoas já estavam em isolamento preventivo antes de ter testado positivo. Atualmente, estão em tratamento em hospitais italianos ou nas próprias casas”, declarou.

No entanto, o Vaticano decidiu não suspender suas atividades, limitando o número de funcionários e “incentivando o trabalho remoto o máximo possível”, segundo a assessoria de imprensa.

O primeiro contágio havia sido confirmado pelo Vaticano em 6 de março. Por conta das medidas de isolamento impostas pelo governo da Itália, todas as missas e audiências do papa Francisco têm sido feitas sem público e via streaming.

Fonte: Ansa via UOL