Paula, vencedora do Big Brother Brasil em 2019
Paula, vencedora do Big Brother Brasil em 2019

Marcela Ribeiro
Do UOL, no Rio

Depois de ouvir nas últimas semana os envolvidos no caso de intolerância religiosa que aconteceram no “Big Brother Brasil 19”, a Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (DECRADI) concluiu hoje que houve preconceito por parte de Paula von Sperling contra Rodrigo França e, por isso, a campeã do reality show da Globo será indiciada.

Segundo o delegado Gilbert Stivanello na próxima quarta-feira, 24, o Inquérito Policial será enviado à Justiça que irá avaliar o caso.

“O Ministério Público agora vai pegar o relatório conclusivo, analisa todas as provas coletadas e aí o promotor irá decidir. Se ele discordar e entender que não foi crime, ele pode representar pelo arquivamento, se achar que precisa de novas diligências, retorna à delegacia para novas diligências. Se ele concordar que tem um crime, ele denuncia. Havendo a denúncia, teremos um processo crime em andamento”.

De acordo com Stivanello, se considerada culpada, Paula pode pegar até três anos de pena, que varia de um a três anos de reclusão e multa.

“Após a oitiva dos envolvidos, análise de vídeo e demais diligências realizadas, concluiu-se pela ocorrência de injúria por preconceito (art. 140 §3º do Código Penal), que acarretou o indiciamento de Paula von Sperling Viana. A Polícia Civil se pauta pelo respeito à liberdade de expressão, mas destaca que, por meio desta, não se pode violar a dignidade da pessoa humana, repudiando todo e qualquer ato ofensivo à religião, etnia, orientação sexual, procedência geográfica, etc do próximo”, diz a nota.

A vencedora do “BBB 19” prestou depoimento na tarde de segunda, 15. Ela chegou à delegacia acompanhada da irmã e sua advogada, Mônica, por volta das 16h e seu depoimento durou mais de duas horas. Paula deixou o local sem dar entrevistas e com o rosto coberto, além de cobrir as janelas do carro.

Em conversa realizada no dia 6 de fevereiro, Paula fez uma série de comentários que foram considerados preconceituosos por vários internautas. Em papo com Diego e Hariany, a sister disse ter medo de Rodrigo por ele ter contato “com esse negócio de Oxum” e garantiu: “Nosso Deus é mais forte”.

Em entrevista dada ao UOL, no início do mês, a advogada Mônica von Sperling, irmã de Paula, disse que a família estaria preparada para uma eventual denúncia de Rodrigo.

“É um direito dele, se por algum motivo se sentiu ofendido. Fico chateada apenas por conhecer a Paulinha e saber que ela jamais agiu ou agiria com o intuito de ofender alguém”, disse Mônica.

Fonte: UOL