A prefeitura da cidade de Olinda cancelou o que seria o primeiro “Polo Gospel” do carnaval da cidade (que seria um dos 13 palcos oficiais), uma semana após anunciá-la. Diz que o fez a pedido dos próprios organizadores.

Entre os próprios evangélicos, a ideia de montar um Carnaval evangélico gerou mais polêmica do que bênção.

A [url=http://folhagospel.com/modules/news/article.php?storyid=33402]bancada evangélica da Assembleia Legislativa pernambucana, por exemplo, não aprovou[/url]. O deputado estadual Adalto Santos (PSB) disse que conversaria com o prefeito de Olinda sobre o “prejuízo espiritual” do evento.

“Fazemos todo um esforço para tirar a juventude das drogas e da promiscuidade, e isso pode se perder se essas pessoas participarem do Carnaval”, afirmou em discurso na Assembleia.

O deputado-pastor Cleiton Collins (PP) o acompanhou. “Evangélico não brinca o Carnaval. O que devemos fazer é evangelizar e cuidar das feridas nesta festa, que provoca muitos problemas com álcool e drogas”, afirmou, segundo o “Jornal do Commercio”.

[img align=left width=300]http://www.acervodocastanha.com.br/wp-content/uploads/2016/10/LUPERCIO.jpg[/img]O próprio prefeito, Professor Lupércio (SD), na foto, é evangélico. Em comunicado, a prefeitura disse que o polo “não foi pensado para que os evangélicos ‘brincassem’ o Carnaval”.

Um dos coordenadores da atração, o pastor Josildo Ferreira diz à Folha que “a mídia distorceu um pouco as coisas”, o que levou “as igrejas mais tradicionais a não entenderem nosso objetivo”.

Ele é também vocalista da Banda Nova, que se apresentaria no local e prega a palavra de Deus em maracatu, ciranda e outros ritmos populares no Estado.

“Jesus não veio mudar a cultura, e sim as pessoas”, diz. Segundo Josildo, algumas ações do Movimento Missões Urbanas Brasil, responsável pelo polo frustrado, continuarão –como a distribuição das Bíblias e a peregrinação de um grupo de percussão gospel com cerca de 200 pessoas.

De acordo com a prefeitura, os representantes do movimento devem articular um evento nos mesmo moldes para março, nos dias 17 e 18.

O polo gospel estava programado para realizar apresentações culturais, batalhas de rap, street dance e palestras durante as tardes dos quatro dias de carnaval. À noite, o palco contaria com apresentações de bandas gospel, frevo, manguebeat e rock. Grupos como Banda Nova, Manacial, Marcelo Biork e Louvadeira Novo Ser já estavam confirmados no polo, que contaria também com distribuição de mais de 10 mil bíblias e oficinas artísticas.

[b]Confira, na íntegra, a nota da Prefeitura de Olinda:
[/b]
A Prefeitura de Olinda informa que os organizadores do Movimento Missões Urbanas Brasil protocolaram um pedido solicitando o cancelamento da montagem e programação do Polo Gospel. O Polo seria armado na Avenida Presidente Kennedy, em Peixinhos. O Movimento é formado por representantes de igrejas cristãs e foi quem solicitou a realização do evento junto à Prefeitura de Olinda. O Missões Urbanas Brasil garante que as ações sociais e de evangelização vão acontecer durante todo o período momesco, mantendo o que já vinha ocorrendo em outros carnavais. Os representantes do Missões Urbanas Brasil estão viabilizando um novo evento previsto para os dias 17 e 18 de março com o apoio da Secretaria de Patrimônio e Cultura de Olinda.

[b]Fonte: Folha de São Paulo e Diário de Pernambuco[/b]