Os arqueólogos descobriram nas ilhas Shetland da Escócia uma pedra esculpida e decorada com símbolos misteriosos que poderiam ser pagãos ou cristãos, informaram nesta sexta-feira (06) fontes do museu do arquipélago.

A pedra, de 45 por 28 centímetros, fragmento de outra maior, mostra em uma de suas faces dois discos com cruzes, unidos por uma fita e outras decorações mais ou menos intrincadas que se interrompem pelo corte na parte superior.

Não se sabe o significado religioso dos mais de 40 símbolos da cultura píctone, mas os motivos são consistentes em todo o território escocês.

O que aparece na pedra recém-descoberta é o disco duplo e a vareta em forma de Z, já conhecida pelos arqueólogos, mas o que a torna muito especial são as cruzes inscritas nas rodas.

Outros discos duplos possuem às vezes círculos ou espirais em seu interior, mas estes são os primeiros com cruzes.

Se for uma cruz cristã, e não apenas de um desenho geométrico, indica um híbrido entre a religião indígena dos pictos (primeiros habitantes da Escócia) e o novo cristianismo.

O local onde a pedra foi encontrada foi um centro religioso durante dois milênios e também pode ter sido um ponto de convergência cultural e político na antiguidade.

É o que parece se deduzir de quatro pedras descobertas ali e nas quais aparece o antigo alfabeto conhecido como “ogham”, e de uma quinta pedra, a “Mail Stone”, descoberta em 1992, e na qual aparece uma figura misteriosa com uma máscara de cabeça de cachorro.

Durante a Idade Média, esse local foi usado para funerais, e foram encontrados três pedaços de lápides com inscrições nas quais foi usado o alfabeto rúnico.

Fonte: G1