A Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) encaminhou um ofício ao governo de Minas Gerais e à Prefeitura de Alfenas (MG) em repúdio ao documento enviado por um delegado da cidade que pede o fim da Parada Gay e do Carnalfenas.

No documento, o delegado Clovis de Oliveira Leite afirma que atos de vandalismo e promiscuidade aumentam durante os eventos e que o “Carnalfenas aliado às Paradas Gays fará com que Alfenas, em futuro muito próximo, se torne uma Sodoma e Gomorra, cidades destruídas por Deus conforme reza a Bíblia.”

O presidente da ABGLT, Toni Reis, afirmou ao G1 que vai esperar um posicionamento das autoridades estaduais e do prefeito sobre a atitude de Leite antes de tomar providências legais. “Precisamos conversar antes de qualquer medida mais enérgica. Depois de uma posição das autoridades, vamos avaliar se pedimos que ele passe por um processo administrativo”, afirma Reis. “Ele não poderia sequer ter enviado esse ofício.”

O delegado explicou que não foi compreendido corretamente. Segundo Leite, como a criminalidade aumenta na cidade durante a Parada Gay e o Carnalfenas, o objetivo do ofício foi pedir mais policiamento.

“Não tenho nada contra gays e não tenho preconceitos, cada um faz o que quiser da vida, mas a cidade não tem estrutura para receber tanta gente. Precisamos de mais policiamento ou esses eventos têm de acabar”, afirma Leite. “Sou contra atos de vandalismo e promiscuidade. Durante os eventos, o pessoal bebe e sai fazendo algazarra na rua. Sou a favor da ordem e quero proteger as pessoas de bem”, diz.

Segundo Leite, se o governo não puder aumentar o policiamento nas ruas, ele gostaria que os eventos fossem suspensos. “Nas festas acontecem muitos problemas. A quantidade de furtos aumenta demais. Se a cidade não tem estrutura para organizar tudo, não pode continuar fazendo.”

Fonte: G1