Demasiado silêncio contra a máfia por parte da Igreja, especialmente da hierarquia. Essa é a dura acusação feita por um dos bispos tradicionalmente mais engajados na luta contra a máfia, Dom Raffaele Nogaro, bispo da diocese de Caserta.

Dom Nogaro divulgou ontem um documento em vista de uma manifestação antimáfia promovida pelas associações católicas locais em 25 de abril. O objetivo do evento é manifestar solidariedade a três intelectuais que estão sofrendo ameaças por parte dos chefes da Camorra, a máfia local.

Segundo Dom Novaro, as hierarquias eclesiásticas não fazem o suficiente contra a Camorra: ”Estão muito preocupados em defender-se de inimigos ‘ideológicos’, como os comunistas e os laicistas, e subestimam a poluição moral e civil causada por poderes ilegais”.

”Os mafiosos, mesmo desarraigando o Evangelho do coração de nossa gente, negando qualquer forma de amor ao próximo, se tornam facilmente os promotores de iniciativas de religiosidade popular. Protegem a ordem estabelecida e, portanto, são cortejados pelas instituições. E por um falso amor pela paz, a Igreja cala”, denuncia o bispo.

A história da região, acrescenta o prelado, não se explica sem levar em consideração a influência da Igreja: ”Observa-se que as expressões religiosas, sobretudo aquelas enfáticas, e a Camorra não são dois fenômenos independentes”.

”Felizmente, nunca se chega à cumplicidade. Mas não se pode ficar de lado, deixando a responsabilidade somente ao Estado”, defende.

Fonte: Rádio Vaticano