Após ser pauta na revista Veja, a música gospel é assunto também na Revista IstoÉ. A abordagem da matéria começa com o fato de que cantores evangélicos não gostam de ser considerados estrelas.

Contrastando com essa postura estão os dados da indústria fonográfica que aponta o rendimento de R$ 1,5 bilhão com a produção de CDs e DVDs religiosos em 2011.

Três nomes considerados ‘potências capazes de arrastar centenas de milhares de pessoas a shows’ pela revista são Aline Barros, Ana Paula Valadão e Regis Danese.

[img align=left width=300]http://content-portal.istoe.com.br/istoeimagens/capa/cp_11841962240453917.jpg[/img]Desde 1995, quando lançou o primeiro de 27 álbuns, Aline Barros já vendeu cerca de seis milhões de cópias e ganhou quatro Grammys latinos (o último no ano passado). Aline foi a primeira cantora gospel do País a conquistar um Grammy, em 2004. A gravação do álbum premiado, “Fruto de Amor”, foi cercada de muita tensão. Na época, um problema nas cordas vocais provocava rouquidão na pastora e só lhe permitia gravar depois de uma longa pausa de recuperação. “Procurei uma fonoaudióloga, que me disse que eu estava com apenas 5% da voz em perfeitas condições”, lembra.

A presença de Aline em programas de TV fora do segmento cristão é enfatizado na revista, assim como o cuidado para não deixar a vida girar em torno apenas da carreira. Casada há doze anos com Gilmar dos Santos, a cantora conta que esse cuidado vem desde o início da relação. “Desde que nos casamos, acertamos que não permitiríamos que a nossa vida ficasse refém de uma agenda.”

Regis Danese ficou marcado pela canção ‘Faz um milagre em mim’, que foi considerada pela indústria fonográfica a responsável por romper barreiras importantes. “Graças a ela, fazíamos três shows em uma noite só”, diz Danese, que vive em Belo Horizonte.

Apesar dos muitos compromissos, hoje o cantor tem uma agenda mais controlada e sua esposa diz que todo o tempo livre que Regis tem ele passa em casa olhando para a Brenda e orando.

Brenda, a filha do cantor, tem leucemia e é hoje o foco da vida do cantor.

“Vai com Deus, porque quando você cantar o ladrão não vai mais ser ladrão.” A frase dita pelo precoce Isaque Valadão, 6 anos, é o que move Ana Paula Valadão, mãe do garoto e vocalista da banda Diante do Trono, um fenômeno da música gospel que existe há 15 anos e já vendeu mais de dez milhões de discos.

Aos 36 anos, Ana Paula é integrante da Igreja Batista da Lagoinha, em Belo Horizonte e mantém-se firme no ministério ganhando força inclusive na frase de Isaque.

Vivendo uma vida separada, ela cobra compromisso de toda sua equipe. Atualmente todos estão em um ‘jejum de delícias’, no qual cada um deve cortar do cardápio três ou quatro alimentos que come por puro prazer. Isso para se prepararem para a gravação do DT 15, dia 9 de junho em Manaus.

No entanto, Ana Paula está sempre em contato pelo iPhone quando está longe da família e busca participar o máximo quando está por perto. “Nem o sucesso da missão justifica o fracasso da família”, diz ela.

[b]Fonte: Guia-me com informações da IstoÉ[/b]