O ex-missionário do Movimento Sem-Terra (MST) da Paraíba, o hoje capelão do Exército britânico, Carlos Tomé da Silva,43, vai ao Iraque . Ele embarcará em maio ao lado do príncipe britânico Harry, filho de Charles e da princesa Diana.

De acordo com informações do Boletim Semanal da Igreja Anglicana do Brasil, da diocese de São Paulo, Carlos Tomé “será responsável pelo bem-estar espiritual e moral dos soldados que convivem lado a lado com a tensão e o sofrimento causado pela guerra”.

Ele é o primeiro brasileiro a se tornar capelão das forças armadas britânicas, e foi treinado pelo Exército inglês na Academia Real Militar de Sandhurst, a mesma onde se formaram os príncipes Harry e William.

Na sede do MST da Paraíba, os trabalhadores que acompanharam o missionário dizem que ele é uma pessoa séria e que desenvolveu um bom trabalho. Ele atuou nos acampamentos Antônio Conselheiro, em São Miguel do Taipu e na Usina Borborema em Pirpirituba. “Ele desenvolveu um trabalho bom e ensinou noções de saúde, organização da comunidade e evangelizou”, afirmou o dirigente do MST, Edivaldo Martins.

Atualmente, o capelão vive na Inglaterra onde participa de celebrações, faz casamentos e realiza batizados. O ambiente vai mudar completamente a começar pela temperatura que pode chegar a 50º graus, sem falar no ambiente de guerra que o capelão vai enfrentar, sendo obrigado a usar roupa do exército, a prova de bala.

Segundo informações da Igreja Anglicana do Brasil, Carlos Tomé nasceu na Paraíba, formou-se na Universidade Federal da Paraíba (UFPB) no Curso de Letras (Português/Inglês) e depois fez Teologia no Instituto Bíblico Betel Brasileiro, em João Pessoa. Em seguida viajou por vários países da África e Ásia a bordo do navio Doulos, da Operação Mobilização (1986-88).

De volta ao Brasil, ele fez o curso de Lingüística e Missiologia na Associação Lingüística Evangélica Missionária (ALEM) em Brasília. Passou seis meses na comunidade brasileira na Guiana Francesa, mudou-se para o Reino Unido, onde adquiriu a cidadania britânica e trabalhou com ex-presidiários.

Ainda de acordo com a Igreja, voltou mais uma vez ao Brasil, formou-se em Direito, casou-se, ordenou-se ministro anglicano e plantou uma igreja no assentamento dos sem-terra no município de São Miguel de Taipu, na Paraíba. Por fim, retornou ao Reino Unido, fez um curso de capelania no centro de Capelania das Forças Armadas e de oficial na Academia Real Militar de Sandhurst e tornou-se capelão da Primeira Artilharia Real.

Fonte: Jornal O Norte