Não adianta; por mais que o cinema brasileiro tenha evoluído e conquistado espaço no mercado internacional, ainda me confronto com gente que continua não gostando e se recusando a assistir filmes nacionais.

Claro que respeito o senso estético de todo mundo, mas o que me incomoda é o tal preconceito contra tudo que é produzido aqui. É o tal “complexo de vira-lata” à qual Nelson Rodrigues tanto se referia.

Mas, à despeito dos que torcem contra, o cinema brasileiro têm sim crescido e produzido bons filmes recentemente; e mais do que isso tem aberto portas e cavado espaço no competitivo meio cinematográfico americano, como nunca antes.

Exemplo disso são três produções que estarão participando do festival de Cannes, na minha opinião o mais importante do mundo. Nem todos são exatamente produções locais, mas tem atores e diretores brasileiros diretamente envolvidos, e vivendo a melhor fase de suas carreiras.

“Linha de Passe”, que marca a retomada da parceria Walter Salles/Daniela Thomas (“Central Do Brasil”), conta um drama urbano ambientado em São Paulo. a trama inclusive traz de volta o ator Vinícius de Oliveira, que interpretou brilhantemente o menino “Josué” em “Central do Brasil”. Houve uma certa confusão na pré-produção do longa, que envolveu o autor da novela “Cobras e Lagartos”, também ligado à produção do filme, que foi acusado de utilizar personagens do roteiro original escrito por Walter e Daniela, em sua novela. O roteiro teve que ser alterado, e Braulio Mantovani, de “Tropa de Elite”, foi chamado para ajudar a reformar o texto, que envolve futebol, e quatro irmãos que convivem com a ausência do pai.

“Blindness” (“A Cegueira”), uma super produção que de Brasil, Canadá e Japão, é baseada no livro “Ensaio sobre a Cegueira” do autor português José Saramago, prêmio Nobel de Literatura. A direção ficou a cargo de Fernando Meirelles (“Cidade de Deus”) e ainda conta no elenco com Alice Braga, que estêve recentemente contracenando com Will Smith em “Eu Sou a Lenda”. Venho acompanhando todo o processo de produção do filme desde o ano passado e não vejo a hora de assistir a versão de Meirelles. O livro é extraordinário, como toda a obra de Saramago, mas extremamente difícil de ser filmado. Os personagens não tem nome, passado, contexto, a narrativa muda de pessoa a todo momento, enfim, tem uma estética bem própria. Fernando Meirelles conta no elenco com nomes do primeiro escalão de Hollywood como, Danny Glover (“Maquina Mortífera”), Juliane Moore (“Boogie Nights”), Mark Ruffalo (“Zodiac”) e Gael Garcia Bernal (“Babel”).

“Blindness” foi escolhido para abrir a mostra competitiva de Cannes desse ano, que acontece agora em maio, e “Linha de Passe” também estará concorrendo à Palma de Ouro. Outro filme brasileiro que também vai estar no afamado festival é “ A Festa da Menina Morta”, que traz o consagrado ator Matheus Nachtergaele (“Cidade de Deus”, “O Auto da Compadecida”) pela primeira vez atrás das câmeras, atuando como diretor. O filme não irá competir ao prêmio principal, mas fará parte da mostra “Um Certo Olhar”, que com certeza atrairá bastante atenção sobre si. Ótima forma de se começar a carreira de diretor. Matheus escolheu uma temática bem interessante para seu filme de estréia, evocando as tradições e lendas ribeirinhas do norte do Brasil.

Só nos resta torcer e acompanhar a trajetória desse três filmes promissores, no festival. O Brasil só conseguiu ganhar a Palma de Ouro uma vez em 1962, com “O Pagador de Promessas”. Já está na mais do que na hora de quebrarmos esse tabu.

Um abraço,

Leon Neto