Coreia do Norte
Coreia do Norte

Apenas quatro por cento dos desertores norte-coreanos viram uma Bíblia no país, segundo um novo relatório do Departamento de Estado dos EUA, que também disse que o governo comunista continua a “lidar duramente com aqueles que praticam quase todas as práticas religiosas através de execuções, tortura, espancamentos e prisões ”.

Além disso, cerca de 80.000 a 120.000 cidadãos estão detidos em campos de prisioneiros políticos, e muitos por motivos religiosos, de acordo com o relatório .

Os dados foram incluídos no Relatório sobre Liberdade Religiosa Internacional do Departamento de Estado para 2017, divulgado nesta terça-feira, 30, e incluiu descobertas para todos os países do mundo. O relatório sobre a Coreia do Norte foi particularmente revelador.  

O governo dos EUA estima a população norte-coreana em 25,2 milhões. Estimativas da Nações Unidas dizem que há entre 200.000 e 400.000 cristãos no país.

“As contas dos desertores indicaram que os praticantes religiosos muitas vezes escondiam suas atividades de vizinhos, colegas de trabalho e outros membros da sociedade devido ao medo de que suas atividades fossem relatadas às autoridades”, disse o relatório.

“Grupos religiosos e de direitos humanos fora do país continuaram a fornecer inúmeros relatos de que membros de igrejas clandestinas foram presos, espancados, torturados e mortos por causa de suas crenças religiosas”.

Organizações não-governamentais (ONGs) internacionais e desertores norte-coreanos relataram que “orar, cantar hinos e ler a Bíblia” poderia “levar a severas punições, incluindo prisão em campos de prisão política”.

Um documento do governo norte-coreano de 2014 afirma que “a liberdade de religião é permitida e fornecida pela lei do Estado dentro do limite necessário para garantir a ordem social, a saúde, a segurança social, a moralidade e outros direitos humanos”.

Segundo o relatório, uma cristã que desertou depois de passar oito anos na prisão por frequentar a igreja na China por quatro meses, disse a uma ONG norte-americana que ela foi acusada de “praticar o cristianismo” e saber de sua “natureza vergonhosa”.

“Durante seu aprisionamento, as autoridades lhe disseram até uma dúzia de vezes por dia para se arrepender de seu passado e tentar ‘lavar’ sua mente”, diz o relatório. “Ela relatou que outras seis mulheres que estavam presas por frequentar a igreja foram espancadas até a morte ou morreram doentes, porque não tiveram acesso a remédios”.

O relatório também afirma que os cristãos estão “restritos aos degraus mais baixos da classe do sistema songun”, pois são vistos como um “meio de invasão ocidental e estrangeira”. O sistema songun classifica indivíduos com base na classe social, presumindo apoio do regime de Kim, visões religiosas, antecedentes familiares e outros identificadores.

Embora a Coréia do Norte tenha se classificado nos últimos 16 anos como o pior perseguidor de cristãos do mundo, o regime também tem como alvo os budistas e suas redes de culto.

Durante uma coletiva de imprensa na terça-feira, o Embaixador para a Liberdade Religiosa Internacional Sam Brownback apresentou mais detalhes sobre o sistema político penitenciário da Coreia do Norte.

“O que sabemos é que há um sistema de gulags operando na Coreia do Norte, e tem sido uma situação terrível por muitos anos”, disse Brownback. “Você pode ver via satélite, satélite de código aberto, e ver alguns desses acampamentos e a situação. Você tem pessoas que saíram e escreveram sobre a situação na Coreia do Norte”.

A divulgação do relatório acontece no momento em que autoridades dos EUA e da Coreia do Norte tentam ressuscitar uma potencial reunião entre o presidente Donald Trump e o ditador Kim Jong Un. Brownback foi questionado sobre a probabilidade de que as condições de liberdade religiosa fossem levantadas em qualquer reunião entre as autoridades norte-americanas e norte-coreanas.

“Bem, em certo sentido, já tem com as três pessoas que foram libertadas [que o secretário de Estado Mike Pompeo] trouxe de volta, e eu espero que o presidente esteja certo sobre a Coreia do Norte”, disse Brownback, mencionando a libertação dos dos três prisioneiros americanos na Coreia do Norte.

“Ele está muito envolvido com isso, como você sabe. A secretária está muito envolvida com isso. E eu acho que eles estão levantando todas essas questões. Mas as três primeiras pessoas que eles trouxeram foram pessoas que tinham sido presas na Coréia do Norte, e então isso é uma questão de discussão “, acrescentou.

Fonte: Guia-me  e Christian Headlines