Um dos principais defensores da causa LGBT na Câmara, o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) não gostou das declarações do Papa Bento XVI.

O pontífice da Igreja Católica disse que o casamento gay é uma ameaça e coloca em xeque “o próprio futuro da humanidade”.

Segundo Bento 16, a educação das crianças precisa de “ambientes” adequados, e “o lugar de honra cabe à família, baseada no casamento de um homem com uma mulher”.

“Essa não é uma simples convenção social”, disse o papa, “e sim a célula fundamental de cada sociedade. Consequentemente, políticas que afetam a família ameaçam a dignidade humana e o próprio futuro da humanidade”.

[b]Nazismo e pedofilia
[/b]
Indignado, Wyllys abriu fogo contra Bento XVI e relembrou as máculas do pontífice. “O papa suspeito e acusado de ser simpático ao nazismo disse que o casamento civil igualitário é uma ameaça à humanidade. Ameaça ao futuro da humanidade são o fascismo, as guerras religiosas, a pedofilia e os abusos sexuais praticados por membros da Igreja e acobertados por ele mesmo”, atacou o parlamentar.

[b]Genocida[/b]

O deputado foi ainda mais longe e chegou a classificar Bento XVI como “genocida em potencial”. “Espero que os estados laicos do Ocidente não cedam à pressão desse genocida em potencial”.

A Igreja Católica, que tem 1,3 bilhão de seguidores no mundo, prega que as tendências homossexuais não são pecado, mas que os atos homossexuais são, e que as crianças devem crescer em uma família tradicional, com um pai e uma mãe.

“A unidade familiar é fundamental para o processo educacional e para o desenvolvimento dos indivíduos e Estados; daí a necessidade de políticas que promovam a família e auxiliem na coesão social e no diálogo”, disse Bento 16 a diplomatas.

[b]Fonte: Jornal do Brasil e Reuters[/b]

Leia também: [url=http://folhagospel.com/modules/news/article.php?storyid=20739]Casamento gay ameaça a humanidade, diz o papa[/url]