A inscrição grega “Dia Chrstou o Goistais” significa “por Chrestos, o mago” e poderá ser a mais antiga referência a Jesus Cristo. Foi gravada antes do ano 50 d.C numa pequena taça de barro, fabricada no século I a.C, encontrada em Junho por uma equipa de arqueólogos nas ruínas submersas de Alexandria, no Egito.

Até 15 de Novembro, esta peça estará exposta em Madrid, no antigo matadouro Legazpi.

“Não é descabelado pensar nisto, já que temos de ter em conta que, na época de que estamos a falar, a comunicação entre o Portus Magnus de Alexandria com a região da Palestina era muito fluida, com barcos que chegavam diariamente. É muito provável que em Alexandria estivessem ao corrente da existência de Jesus e dos milagres que estava a fazer não muito longe dali e que os feiticeiros realizassem rituais em seu nome”, afirmou ao site do jornal El Mundo o francês Franck Goddio, um dos mais famosos arqueólogos subaquáticos do mundo e responsável pelo achado.

Segundo Goddio, a palavra “Goistais” significa “mago ou feiticeiro”, enquanto Chrstou é o nome do celebrante, podendo também significar Messias. Nesse caso, explicou ao diário espanhol, a taça com nove centímetros de diâmetro poderia ter sido utilizada por um feiticeiro que, para legitimar os seus poderes sobrenaturais, teria invocado Cristo.

O objeto tem sido alvo de estudos detalhados por parte dos melhores egiptólogos do mundo nos últimos meses. Estes acreditam que a taça era usada em rituais de adivinhação: deitava-se nele uma pequena porção de azeite que, dependendo do formato que adquirisse, era interpretada por um feiticeiro que assim previa o futuro.

A taça, encontrada num templo submerso situado perto da ilha de Antirhodos, na região oriental do Portus Magnus de Alexandria, e por isso propriedade do Governo egípcio, chegou esta semana a Madrid para integrar a exposição Tesouros Submersos do Egito.

Há contudo quem duvide da sua autenticidade, afirmando que a inscrição parece demasiado “limpa” para ser verdadeira. Até agora, a primeira referência conhecida a Jesus Cristo era a de uma carta do apóstolo São Paulo, datada do ano 51 d.C., na qual fala este menciona o seu “mestre”.

Fonte: DN Online – Portugal