Em 1662, Mary Sanford, 39 anos, foi acusada de bruxaria e condenada por um tribunal que se baseou em provas como o fato de Mary beber vinho e dançar ao redor de uma fogueira. Ela foi enforcada, deixando o marido e cinco filhos, segundo relata o jornal The New York Times.

Mais de 300 anos depois, duas descendentes da “bruxa” entraram com um requerimento na Assembléia Legislativa de Connecticut (EUA) para que Mary e outras 10 pessoas sejam absolvidas do crime.

Debra Avery e a filha Addie, 14 anos, descobriram que tinham uma parente acusada de bruxaria em 2005. Desde então passaram a pesquisar sobre o assunto e descobriram que, na época, nove mulheres e dois homens foram condenados por feitiçaria e enforcados no Estado.

Mãe e filha identificaram que a maioria dos acusados eram mulheres pobres e quase sem instrução. Reuniram outros descendestes e procuraram a Justiça, mas o Estado, ao contrário de outros como Massachusetts e Virgínia, ainda não admitiu sua culpa.

Fonte: Terra