Por ocasião da entrada de um novo ano, o pastor da Igreja Ministério Apostolar Cristão, Augusto César Marenco, pediu ao presidente Daniel Ortega que reflita sobre os erros que cometeu em seu governo em 2009, para que não os repita.

O bispo da diocese de León, monsenhor Bosco Vivas, exortou os governistas e a oposição para que entabulem um diálogo franco e aberto, o que não aconteceu no ano que passou, diante do que considera uma crise política, já que as lideranças não procuram soluções em conjunto para os grandes problemas da nação.

O porta-voz da arquidiocese de Manágua, padre Rolando Alvarez, disse, no domingo, 3, que a Igreja Católica “seguirá anunciando a Palavra de Deus e acompanhando os mais pobres, os que não têm voz e se sentem cerceados em seus direitos”.

Na Nicarágua, frisou, há muita gente que tem medo. Empresários, profissionais, políticos, temem perder seus negócios e espaços de expressão. Enfatizou, contudo, que os católicos não vão fazer trabalho político.

Marenco denunciou que a liberdade de mobilização foi violentada no país e que muitos foram golpeados pelos simpatizantes do “orteguismo”, como foi o caso do jornalista Mario Sánchez e da promotora dos direitos humanos, Leonor Martínez. Ela saiu ferida, com fratura no braço direito, quando estava numa marcha.

Com tais ações, orteguistas procuram impor medo à população, disse Marenco. Sugeriu que o governo procure iluminação espiritual, escute o povo e encontre maneiras de governar junto com as demais forças políticas do país.

“Não me refiro à oposição, porque ela não existe politicamente, mas a todas as forças sociais”, concluiu.

Fonte: ALC