O ‘Manifesto ao Povo de Vila Velha’, lançado no último sábado pelos candidatos Cláudio Vereza (PT), Dyonizio Rui Júnior (PDT), Luceni Novaes (PSOL) e Vasco Alves (PRTB), vem causando polêmica entre os evangélicos do município.

A Associação de Pastores e Líderes Evangélicos de Vila Velha (Aplevv), que teve o nome publicado no folheto, nega envolvimento com o manifesto.

Ao todo, 25 entidades assinaram o manifesto, que acusa os candidatos Neucimar Fraga (PR) e Dr. Hércules (PMDB) de envolvimento com o crime organizado. O presidente da Aplevv em exercício, Pastor Gilmar Miguel, garante que o envolvimento político é proibido pelo estatuto da instituição.

“Houve um grande equívoco. Um grande engano. Somos uma entidade Cristã que discute questões do Reino de Deus. Não nos envolvemos com política, até porque isto é proibido pelo estatuto. Além disto, Neucimar é membro da instituição”, esclarece.

O vice presidente da associação é mais radical. “Os [pastores] que se sentiram atingidos, que entrem na Justiça e processem pra que o verdadeiro culpado apareça. Ninguém tinha autorização para colocar o nome da Aplevv. Não queremos nos envolver em ‘picuinhas’ políticas”, protesta.

Alcemir Pantaleão, candidato a vice-presidente na chapa de Vereza, não acredita que alguém tenha se utilizado de má fé. Para ele, houve um grande erro de interpretação. “Um grupo de pastores assinou o manifesto, mas eles representam a associação. Seria uma loucura falar pela instituição em um assunto que nem é discutido lá”, enfatiza Pantaleão, presidente licenciado da Aplevv para as eleições.

Gilmar Miguel, atual presidente da associação, marcou uma reunião para esta terça-feira à tarde. O objetivo é explicar à diretoria que não há envolvimento da instituição com o manifesto político. Uma nota de esclarecimento também deve ser elaborada e divulgada à população.

Fonte: Gazeta Online