“Eu não brinco com religião de ninguém, eu acho que todo mundo acredita em Deus. Se alguém acredita em Deus, acredita em milagre, eu acho que milagre pode acontecer, e no domingo vou em busca de um”, disse Geninho.

Nada melhor que uma classificação dramática na Copa do Brasil, com uma vitória suada sobre o Náutico, na quarta-feira à noite, para motivar o Atlético-MG a buscar o que bom senso mostra ser uma causa perdida: golear o rival Cruzeiro por uma diferença de seis gols, no clássico de domingo, e conquistar o título de campeão Mineiro.

“Eu não brinco com religião de ninguém, eu acho que todo mundo acredita em Deus. Se alguém acredita em Deus, acredita em milagre, eu acho que milagre pode acontecer, e no domingo vou em busca de um”, disse o técnico Geninho em entrevista coletiva depois da vitória sobre o Náutico, por 1 a 0, no Mineirão.

No primeiro jogo da final, o Atlético levou de 5 a 0 do rival, que ampliou em muito a vantagem de jogar por dois resultados iguais. Para ser campeão mineiro, o time de Geninho precisa devolver a goleada com juros e correções, uma vez que tem de vencer por seis gols de diferença.

Apesar de acreditar no milagre, Geninho mostrou-se ponderado ao ser indagado se poupará determinado atleta no jogo de domingo, já vez que o Atlético tem compromisso pela Copa do Brasil, contra o Botafogo, na próxima semana.

“Se eu tiver algum jogador com algum risco grande, de repente fazer o jogo domingo e ficar fora (contra o Botafogo), você tem de analisar bem, porque hoje estamos entre as oito melhores equipes dentro da competição da Copa do Brasil”, disse o treinador.

Porém, Geninho disse que escalará um time forte diante do rival, até mesmo para evitar novo vexame. “Você não pode todo fragilizado e tomar uma goleada como tomamos no domingo passado, isso é inconcebível, então você tem de ter um respeito muito grande pelo torcedor, colocar uma equipe forte, respeitar o adversário que você vai enfrentar”, afirmou.

Fonte: UOL