O teste de embriões seria para evitar assim abortos e nascimento de bebês com deficiências.

A Igreja Católica alemã comparou nesta terça-feira os testes genéticos em embriões fecundados in vitro com o Dia dos Santos Inocentes, massacre bíblico de crianças supostamente ordenado pelo rei Herodes.

O Arcebispo de Colônia, Joachim Meisner, disse em seu sermão que tanto a decisão do monarca da Judeia como o experimento científico, que gerou uma grande polêmica na Alemanha, empregam “critérios muito específicos de seleção”.

Meisner, de 77 anos, disse que os critérios de Herodes foram o lugar de nascimento, a idade e o sexo, baseando-se nos conhecimentos que tinha de sua ameaça – o suposto nascimento de um novo rei.

Enquanto, que o teste de embriões antes de sua implantação no útero materno baseia-se na ciência para detectar doenças hereditárias e evitar assim abortos e nascimento de bebês com deficiências.

“Em qualquer caso: essa decisão é errada”, concluiu Meisner e acrescentou que “a dignidade humana é independente de doenças e incapacidades”.

Os testes genéticos em embriões fecundados in vitro foram objetos de debates por meses na Alemanha. O partido da chanceler Angela Merkel, de caráter democrata-cristão, decidiu recentemente sua proibição após uma acirrada discussão no Congresso Nacional.

[b]Fonte: Terra
[/b]