Um grupo de importantes líderes muçulmanos condenou o recente “entusiasmo” na violência contra os cristãos iraquianos e retificou que não há justificativas no islamismo para os ataques.

Dezessete líderes muçulmanos juntamente com 19 líderes cristãos denunciaram a perseguição contra cristãos em um comunicado durante uma conferência entre crenças, dirigida pelo arcebispo de Canterbury.

Os líderes se preocuparam muito em descobrir a situação em Mosul, lugar onde mais de 8.300 cristãos foram forçados a fugir por causa da violência perpetrada por muçulmanos radicais nas duas últimas semanas.

“Estamos conscientes da terrível perseguição sofrida pelos iraquianos de diferentes credos ao longo dos últimos anos e queremos expressar a nossa solidariedade a eles” declararam os líderes que estavam no encontro. “Não encontramos justificativas no islamismo ou no cristianismo para os que promovem a insegurança ou incitam à violência nessa parte do Iraque”.

O grupo pediu a líderes políticos e públicos que façam o que estiver ao alcance deles para facilitar o retorno das pessoas e de suas comunidades, e para garantir um ambiente estável para todos os cidadãos do Iraque.

Fonte: Portas Abertas