O papa Bento 16 recebeu nesta sexta-feira no Vaticano o Alto-Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, Antônio Guterres, que foi agradecer as declarações do Sumo Pontífice em apoio à recepção de refugiados na Europa.

Guterres e Bento 16 conversaram sobre “as muitas tomadas de posição” que o líder da Igreja Católica tem assumido em defesa dos refugiados e do seu acolhimento nos países europeus, segundo o gabinete de informação do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) em Genebra.

O ex-premiê português aproveitou a ocasião para se mostrar grato, em nome do Acnur, pelas “recentes declarações do Papa chamando a atenção para as dificuldades dos refugiados”.

Na sua mensagem para a 93ª Jornada Mundial do Emigrante e do Refugiado, que será em 14 de janeiro de 2007, o papa Bento 16 convida os governos a aprovar “os instrumentos legais internacionais propostos para defender os direitos dos emigrantes, dos refugiados e das suas famílias”.

O líder da Igreja Católica considera ser necessário “garantir os direitos e as dignidades das famílias [de refugiados] e assegurar-lhes um alojamento de acordo com as suas exigências”.

Bento 16 defende ainda “uma atenta presença pastoral” nos campos de refugiados para “restabelecer a cultura do respeito e redescobrir o verdadeiro valor do amor”.

“É preciso ajudar todos aqueles que estão destruídos interiormente a recuperar a confiança em si mesmos”, disse ainda o Papa na sua mensagem, datada de 18 de outubro, mas divulgada apenas na última terça-feira.

Angola

O Acnur organiza terça-feira (21), em Genebra, uma reunião com vários setores da comunidade portuguesa para angariar fundos e ajudar duas mil crianças angolanas a aprender português.

Ariana Magalhães, do Acnur, disse à Agência Lusa que o projeto está concluído e deverá começar em 2007, mas falta garantir o seu financiamento.

A estimativa do Acnur é que o apoio a cada criança custe 25 francos suíços (cerca de R$ 42), “não apenas para o ensino do português, mas dando-lhes condições para aprender”, disse Ariana.

“Este projeto é muito importante porque representa uma plataforma de acesso à escolaridades destas crianças, a maioria refugiadas que voltam a Angola depois da guerra e que viveram os últimos anos em países limítrofes de Angola”, afirmou a responsável.

A reunião vai permitir juntar Antônio Guterres com a comunidade portuguesa na Suíça, composta por cerca de 180 mil pessoas.

A ajuda às duas mil crianças faz parte de um projeto maior do Acnur para Angola na área da educação, orçado em US$ 1 milhão (R$ 2,2 mil) e que deverá ser colocado em prática em 2007.

De acordo com Ariana, além das duas mil crianças previstas inicialmente, o projeto poderá apoiar mais, dependendo da adesão das pessoas.

“O Acnur garante que toda a verba recolhida será canalizada diretamente para as crianças através do Serviço de Jesuítas para os Refugiados”, disse a responsável.

Fonte: Lusa