O padre italiano Pierino Gelmini, de 82 anos, fundador da comunidade “Incontro” para a recuperação de dependentes de drogas, está sendo investigado por suspeita de abuso sexual, denunciado por antigos internos expulsos do grupo.

“Sofro, mas por dentro estou muito sereno, porque 44 anos de trabalho não podem ser apagados com insinuações”, disse hoje Gelmini em entrevista à emissora de TV “Canale Cinque”.

O religioso afirmou que há uma investigação em andamento “para provar a verdade” e acrescentou que não entendia os motivos de a notícia ter sido divulgada para fazer “um pelourinho midiático”, referindo-se à informação publicada hoje pelo jornal “La Stampa”.

Um dos advogados do sacerdote, Franco Coppi, disse à agência “Agi” que o padre “já foi ouvido” pela Promotoria de Terni, negando as acusações “com muita firmeza e serenidade”.

O caso, explicou o religioso aos promotores, “é uma espécie de vingança por parte de jovens, que tinham estado em cura na comunidade e que foram expulsos por causa de seu comportamento”, acrescentou o advogado.

A comunidade “Incontro” possui 287 centros em vários países de todo o mundo e, segundo o médico e amigo Alessandro Meluzzi, os jovens que vivem nele são “as principais vítimas” deste assunto, pois podem ter a cura em risco.

Fonte: EFE