O Papa Bento XVI disse neste domingo que “é necessário transformar o modelo de desenvolvimento global” para fazer frente “ao escândalo da fome” e às “emergências” ambientais e energéticas.

Antes da tradicional reza do Ângelus, o Papa disse que “cada pessoa e cada família pode e deve fazer algo para aliviar a fome no mundo, adotando um estilo de vida e de consumo compatíveis com a salvaguarda da criação e com critérios de justiça em relação a quem cultiva a terra em cada país”.

O Papa lembrou que o “drama da fome” continua sendo “muito grave” e afeta 800 milhões de pessoas, das quais muitas, “especialmente crianças”, morrem.

Bento XVI disse que “é preciso eliminar as causas estruturais ligadas ao sistema do Governo da economia mundial, que destina a maior parte dos recursos do planeta a uma minoria da população”.

Além disso, “para incidir em grande escala é necessário transformar o modelo de desenvolvimento global, requerem isso agora não só o escândalo da fome, mas também as emergências ambientais e energéticas”.

Os produtos da Terra “são um dom destinado por Deus a toda a família humana”, disse o Papa, acrescentando que Jesus ensinou seus discípulos a rezar pedindo “ao Pai celeste não o ‘meu’ pão, mas o ‘nosso’ pão de cada dia”.

Desta forma, “quis que cada homem se sinta responsável por seus irmãos, para que a nenhum lhe falte o necessário para viver”, disse.

O Papa disse que “devemos nos acostumar a dar graças ao Criador por cada coisa: o ar, a água”, elementos que são o fundamento da vida, assim como pelos alimentos, “que, através da fecundidade da terra, Deus nos oferece para nosso sustento”.

Fonte: EFE