A Igreja Ortodoxa Russa reprova as certas Igrejas protestantes ter reconhecido os matrimônios entre as pessoas de mesmo sexo e a prática de conferir a ordenação sacerdotal às mulheres e homossexuais , manifestou o Patriarca de Moscovo e Toda a Rússia, Alexis Segundo, entrevistado pela revista francesa Paris Match.

Essa excessiva amplitude de convencimentos que mostra o protestantismo contemporâneo é conseqüência da arbitrariedade moral, o que desperta especial preocupação”, disse o Patriarca.

“Tal arbitrariedade reina em toda a sociedade laica ocidental, na qual os padrões liberais se impõem em todas as áreas: a política, a vida social e até na área da religião”, disse.

Questionado se pode uma igual atitude negativa perante as tendências ultraliberais acercar entre si o Patriarcado de Moscovo e Vaticano, Alexis Segundo contestou que as Igrejas Católica e a Ortodoxa estão obrigados a atuar em frente único com objetivo de defender e afirmar os valores tradicionais cristãos.

O Patriarca russo voltou a manifestar que seu encontro com Papa será possível só depois da Igreja Católica Romana renunciar à prática do proselitismo.

“Aplaudimos as manifestações que faz o novo Pontífice sobre a necessidade de continuar o diálogo . Mas na prática vemos que a Igreja Católica Romana segue a dedicar-se a proselitismo na Rússia , Ucrânia , Bielorússia e Cazaquistão, disse o Patriarca. A Igreja Greco- Católica se comporta com agressividade especial na Ucrânia Ocidental , a discriminar os fieis ortodoxos, destacou Alexis Segundo,.

Seguiremos a chamar a atenção do Vaticano sobre este problema doloroso enquanto não se encontre sua solução, disse Patriarca.

Alexei Segundo declarou que na conferência “ Dar uma alma à Europa” realizada em maio em Viena , e durante a reunião em julho dos líderes religiosos em Moscovo, se logrou coordenar a base da cooperação entre as Igrejas na afirmação dos tradicionais valores morais.

Questionado sobre a possibilidade de ser realizada nos próximos tempos uma visita de Bento XVI a Moscovo, Alexei Segundo manifestou que a posição mantida a respeito pela Igreja Ortodoxa Russa fica sem variar : “Nunca temos excluído a possibilidade de tal encontro. Mas insistimos em devermos abrir uma nova página em nossas relações, em vez de chegar a ser uma simples atividade protocolada a ser desenvolvida perante as câmeras da televisão com fins de mostrar que entre nós não há problemas , enquanto os temos”.

O Patriarca lembrou que os dirigentes da Igreja Ortodoxa Russa e da Católica Romana não se reuniam nunca na toda a História .

“Se tal reunião realizasse em um terceiro pais , seria um acontecimento histórico de importância excepcional”, disse.

Fonte: Pravda.ru