O primeiro-ministro sueco, Fredrik Reinfeldt, se reunirá hoje com embaixadores de vários países islâmicos com representação diplomática em Estocolmo para dialogar sobre a polêmica criada por charges de Maomé publicadas em um jornal e que provocaram protestos no exterior.

Reinfeldt pretende aprofundar sua postura de defesa da liberdade de expressão e de respeito às religiões, e evitar um confronto social, explicou o Governo sueco em comunicado.

Em declaração oficial recente, Reinfeldt lamentou que alguns muçulmanos tenham ficado ofendidos pelas charges, que representam Maomé como um cachorro, mas declarou também que a liberdade de expressão era um direito irrenunciável.

O diário “Nerikes Allehanda”, da cidade de Örebro, publicou no último dia 19 uma charge do artista Lars Vilks para ilustrar um editorial que defendia a liberdade de expressão e criticava a recusa de dois centros culturais suecos em autorizar uma exposição com desenhos do artista em questão, e que tinham o profeta como alvo.

Vilks disse ter recebido ameaças de morte por telefone, e-mail e em seu “blog”, embora tanto ele como o diário tenham se negado a pedir desculpas pelos desenhos, que provocaram uma manifestação de repúdio de cerca de 300 muçulmanos em Örebro na semana passada e protestos diplomáticos de vários países islâmicos.

O jornal dinamarquês “Jyllands-Posten” publicou 12 caricaturas de Maomé em setembro de 2005 que deram início a protestos irados no mundo islâmico meses depois, incluindo um boicote econômico a produtos dinamarqueses e ataques a suas sedes diplomáticas.

Fonte: EFE