A igreja do noroeste da França onde um padre foi degolado por terroristas em julho passado reabriu neste domingo (2) com uma cerimônia simbólica para “superar a profanação” e pregar “reconciliação” entre católicos e muçulmanos.

[img align=left width=300]http://f.i.uol.com.br/folha/mundo/images/16208303.jpeg[/img]No dia 26 de julho, dois jovens identificados como Abdel-Malik Nabil Petitjean e Adel Kermiche interromperam uma missa na cidade de Saint-Etienne-du-Rouvray e forçaram o padre Jacques Hamel (foto), 85, a se ajoelhar. Em seguida, degolaram o religioso. Os dois, que foram mortos pela polícia, ainda mantiveram outras cinco pessoas como reféns e feriram gravemente uma delas.

O Estado Islâmico reivindicou a autoria do ataque, que disse ter sido realizado por “dois soldados” do grupo.

Uma procissão está planejada para este domingo (2) na cidade.

Nesta sexta-feira (30), o imã da mesquita local pediu aos fieis que comparecessem à reabertura da igreja. “Será um dia de fraternidade, espero que, crentes ou não, todos os moradores da cidade estejam lá”, disse Mohamed Karabila, líder da mesquita.

O ataque, o primeiro em uma igreja católica na Europa, ocorreu menos de duas semanas depois do atentado que deixou 86 mortos em Nice, no sudeste da França, no dia 14 de julho, feriado nacional do país.

[b]Fonte: Folha de São Paulo[/b]