Centenas de muçulmanos dinamarqueses fizeram um protesto em Copenhague nesta sexta-feira contra a republicação da charge polêmica com o profeta Maomé, que eles consideram ofensiva.

Manifestantes marcharam pelas ruas da capital dinamarquesa gritando “Deus é Grande!” e “Liberdade de expressão é como uma praga”. Muitos levaram a bandeira preta e branca do Hizb ut-Tahrir, um partido radical islâmico.

A charge – que traz a figura central do islamismo com um turbante em formato de bomba na cabeça – voltou ao jornal um dia depois da prisão de três pessoas supostamente envolvidas em um plano para assassinar um dos cartunistas autores da charge, na terça-feira. Todos os grandes jornais da Dinamarca decidiram republicar a charge depois da descoberta do plano.

Culpa da imprensa Durante as orações de sexta-feira, muçulmanos dinamarqueses menos radicais também expressaram sua desaprovação pela republicação das charges.

Muitos estavam apenas resignados e afirmaram esta crise já ocorreu antes e nada foi aprendido.

Alguns muçulmanos dinamarqueses afirmam que o problema não é o povo dinamarquês que, quando não são bem informados sobre o Islã, demonstram ser liberais.

Para eles a culpa por esta nova crise é da imprensa da Dinamarca, que levantou a polêmica ao invés de tentar melhorar as relações entre as comunidades.

Fonte: BBC Brasil