Pela primeira vez um representante do Vaticano entrou no debate sobre o uso do véu por mulheres muçulmanas, que algumas autoridades da Europa acreditam que está dificultando a integração das muçulmanas nos países do continente.

O cardeal Renato Martino, chefe do departamento do Vaticano que lida com assuntos ligados à migração, disse estar preocupado com o uso de alguns tipos de véu por imigrantes muçulmanos na Europa.

Segundo ele, os imigrantes devem respeitar as tradições, cultura e religião das nações para onde vão e obedecer leis locais que proíbem o uso de certos tipos de véus islâmicos.

“Parece elementar para mim e é muito certo que as autoridades exijam isso”, disse.

Crime

Martino fez os comentários durante uma conferência para a divulgação de uma declaração do papa. Nela, Bento 16 pede leis que incentivem uma melhor integração dos imigrantes.

Três décadas atrás, foi aprovada uma lei na Itália que torna crime que uma pessoa, estando com o rosto coberto em público, se recuse a revelar sua identidade a um policial. Naquela época, diferentemente de hoje em dia, havia poucas imigrantes muçulmanas na Itália.

Outro especialista em imigração do Vaticano, o arcebispo Agostino Marchetto, disse que é importante, em contatos com os muçulmanos, fazê-los entender que as conseqüências de algumas de suas tradições religiosas podem não ser positivas nas sociedades onde eles vivem agora.

O governo italiano está tentando criar um documento chamado Código de Valores Comuns para ajudar líderes islâmicos locais a promover a integração da crescente população muçulmana do país.

Fonte: BBC Brasil