De acordo com Marina Silva, 70% dos fundadores da Rede de Sustentabilidade são a favor da união civil entre pessoas do mesmo sexo, ao aborto e a legalização da maconha.

Ela comentou sobre estes temas na última quarta-feira (17) ao participar de um debate em São Paulo.

“A Rede tem mais ou menos 350 fundadores, eu posso te dizer que pelo menos 70% deles são a favor dessas bandeiras que estão aqui. A favor literalmente falando”, disse a ex-senadora.

Mesmo sendo evangélica a futura candidata à presidência da República diz que é favorável a extensão dos direitos civis a casais homossexuais e durante a campanha presidencial de 2010 ela defendeu a criação de plebiscitos para discutir sobre a descriminalização da maconha e do aborto.

Marina afirmou que seu partido é tolerante e aceita até mesmo os pensamentos mais conservadores. Ela tem ciência de que muitos são contrários à esses projetos por questões morais e religiosas, mas diz que essas contradições de pensamento fazem parte da diversidade.

“O que tem aqui dentro da Rede é a tolerância com aqueles que têm um pensamento diferente”, diz ela que mostrou três pontos que unem os militantes da Rede: respeito à diversidade, sustentabilidade e a busca por ferramentas que consigam dialogar com essas mudanças sociais e comportamentais que estão acontecendo.

[b]Fonte: Gospel Prime com informações Folha de São Paulo[/b]