Um ano após sua eleição, o papa Francisco é extremamente popular entre os católicos norte-americanos, ainda que a sua atitude em relação aos escândalos de pedofilia não convença a todos.

Mais de oito católicos norte-americanos em cada dez (85%) têm uma opinião “favorável” sobre o papa, segundo uma pesquisa realizada pelo Pew Research Center por ocasião do primeiro aniversário de seu pontificado, em 13 de março.

Ainda segundo a pesquisa, 51% dos católicos nos Estados Unidos têm opinião “muito favorável” a seu respeito, contra apenas 4% que têm uma opinião negativa.

Mas apesar de uma grande maioria elogiar o seu “bom trabalho” na difusão da fé ou da ajuda aos pobres, cai para 54% aqueles que têm a mesma opinião sobre sua luta contra os escândalos sexuais na Igreja.

Além disso, para 70% dos católicos norte-americanos, esta deveria ser a “prioridade número 1” do papa.

Nos Estados Unidos e na Irlanda, a Igreja Católica tem sido marcada por grandes escândalos sexuais que foram alvos de um recente relatório altamente crítico das Nações Unidas para o Vaticano.

Na quarta-feira (5), o papa afirmou em uma entrevista ao jornal “Corriere della Sera” que “ninguém tem feito mais” que a Igreja Católica na luta contra a pedofilia, mas a associação norte-americana de vítimas SNAP o acusa de “não fazer nada, literalmente nada” para proteger as crianças.

A pesquisa mostra ainda que, além da personalidade do papa, os católicos norte-americanos apoiam em grande parte uma mudança na igreja: quase 80% acreditam que se deve permitir a contracepção, e em torno de 70% apoiam o casamento dos padres e a ordenação de mulheres.

Eles são mais divididos –50% a favor e 43% contra– sobre o reconhecimento de casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

[b]”Efeito Francisco”
[/b]
Apesar da popularidade entre os católicos norte-americanos, o papa Francisco não há sinais de que ele esteja inspirando os fiéis a frequentarem mais missas ou fazerem mais trabalhos voluntários.

Quarenta por cento dos fiéis declararam estar rezando com mais frequência, e 26% se disseram “mais animados” com sua fé, mas a frequência da confissão e das atividades voluntárias na igreja não se alterou.

Quase 25% da população americana é católica, 78 milhões de pessoas. A pesquisa foi realizada entre 14 e 23 de fevereiro, por telefone, com 1.821 pessoas.

[b]Fonte: UOL[/b]