Asia Bibi (Foto: Ajuda à Igreja que Sofre)
Asia Bibi (Foto: Ajuda à Igreja que Sofre)

O governo do Paquistão está sendo instado a ajudar meninas cristãs sequestradas, estupradas e forçadas a se casar com seus sequestradores.

Asia Bibi, a mulher cristã que passou quase uma década no corredor da morte por blasfêmia, está pedindo ao primeiro-ministro do país, Imran Khan, que tome medidas após os sequestros de Huma Younus e Maira Shahbaz, ambos de 14 anos. 

“Sei que essas meninas estão sendo perseguidas e apelo ao primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, por favor, ajude nossas meninas, porque nenhuma delas deveria sofrer assim”, disse Bibi à Ajuda à Igreja que Sofre (ACN ) 

Maira foi sequestrada sob a mira de uma arma em Madina, Punjab, em abril, em plena luz do dia e durante o confinamento do coronavírus. Ela conseguiu escapar de seu sequestrador, mas teme por sua vida e agora se está escondida.

Huma tinha 14 anos quando foi sequestrada de sua casa em Karachi em outubro passado. Ela permanece com seu sequestrador.

Asia Bibi acrescentou: “No momento da fundação do Paquistão e de sua separação da Índia, nosso fundador Ali Jinnah, em sua proclamação de abertura, garantiu a liberdade de religião e pensamento a todos os cidadãos.

“Mas hoje existem alguns grupos que estão usando as leis existentes, e por isso apelo ao primeiro-ministro do Paquistão – especialmente pelas vítimas das leis de blasfêmia e as meninas que foram convertidas à força – para salvaguardar e proteger as minorias, que também são cidadãos paquistaneses. “

Bibi foi a primeira mulher no Paquistão a ser condenada à morte por blasfêmia. Após um processo de apelação que durou anos, a Suprema Corte do Paquistão finalmente absolveu-a de todas as acusações e anulou sua sentença de morte em outubro de 2018. 

Ela agora mora no Canadá, onde ela e sua família receberam asilo.

Após sua libertação, Bibi se tornou uma defensora declarada dos cristãos e de outras minorias religiosas no Paquistão. 

“Como vítima, estou falando por experiência própria. Sofri muito e vivi muitas dificuldades”, disse ela à ACN. 

“O Paquistão não se trata apenas de minorias ou maiorias – o Paquistão é para todos os cidadãos paquistaneses, portanto, as minorias religiosas também devem ter os mesmos direitos de cidadania, e a lei no Paquistão diz que todos devem ser capazes de viver em liberdade – e assim a liberdade deve ser garantida e respeitada. “

Folha Gospel com informações de The Christian Post