Huma Younus. (Crédito da imagem: Ajuda à Igreja Que Sofre)

Uma adolescente cristã sequestrada e forçada a se casar com  um muçulmano no Paquistão agora está grávida e confinada a um quarto, disse o advogado da família.

Huma Younus, 15, foi sequestrada em outubro passado e forçada a se converter ao islamismo antes de ser obrigada a se casar com Abdul Jabbar.

Ela disse à família por telefone que ficou grávida depois de ter sido repetidamente estuprada por seu sequestrador, relata a Ajuda à Igreja que Sofre (ACN, sigla em inglês).

Tabassum Yousaf, advogado da família, disse à ACN: “Perguntado pelo pai se ela poderia sair da casa do sequestrador e retornar à casa dos pais, ela disse a ele que ela disse a ele que não podia sair de casa e que sua vida se tornou ainda mais difícil, pois agora ela está presa dentro das paredes de um quarto”.

Huma foi sequestrada na sua casas por três homens, em Karachi em outubro de 2019. Os homens esperaram que seus pais deixassem a casa antes de levar a jovem à força. Ela teria sido levada para Dera Gazi Khan, uma cidade na província de Punjab, no Paquistão, a mais de 500 quilômetros de sua casa.

Seus pais estão lutando por sua liberdade e tentaram contestar o casamento no tribunal, argumentando que era inválido sob a Lei de Restrição ao Casamento Infantil Sindh porque Huma é menor de idade.

A lei em questão foi aprovada há quase seis anos, em um esforço para impedir o casamento forçado de menores na província. A prática é predominante entre aqueles que têm como alvo meninas hindus e cristãs, de acordo com vários meios de comunicação.

Mas em uma decisão surpreendente em fevereiro, o Tribunal Superior de Sindh, em Karachi, apoiou o seqüestrador ao decidir que os homens podem se casar com meninas menores de idade, desde que tenham tido seu primeiro ciclo menstrual.

Yousaf disse que os pais de Huma receberam ameaças de morte do irmão de Jabbar, Mukhtiar, membro da divisão Rangers das forças de segurança paquistanesas. 

“Esse mesmo homem, Mukhtiar, acrescentou em mensagens de áudio que, mesmo que todos os cristãos se unissem para trazer Huma de volta, ele mataria os pais dela e qualquer um que tentasse ajudá-los”, disse Yousaf.

A família está recorrendo da decisão do Tribunal Superior de Sindh, mas uma audiência já foi adiada devido ao coronavírus. 

Yousaf teme que o caso de Huma seja submetido a atrasos repetidos até os 18 anos, após os quais é improvável que seja ouvido. 

Ele disse que esse era um problema comum em casos envolvendo minorias religiosas e que se Huma fosse uma menina muçulmana menor de idade, as autoridades paquistanesas agiriam imediatamente para corrigir o erro.

“Justiça atrasada é justiça negada, portanto, todo atraso no julgamento da defesa dos direitos das minorias religiosas representa uma negação desses direitos”, disse Yousaf.

“O tribunal atrasou e continua atrasando a justiça em nome de Huma, apenas porque ela é uma garota cristã menor de idade”.

Paquistão é um dos maiores países islâmicos do mundo. Com 96% de muçulmanos, apenas 2% da população é cristã.

A grande maioria dos cristãos vive na província de Punjab, onde ocorre a maioria dos incidentes de perseguição. A pronvíncia de Sindh, perto de Punjab, também tem se tornado notória por trabalho forçado, o que afeta muitos cristãos.

Além da opressão islâmica, outro tipo de perseguição existente no país é corrupção e crime organizado. A corrupção é desenfreada em todos os níveis do governo e no exército, que tem investimentos em vários campos econômicos. Ore pelo Paquistão, que é o 5º colocado na Lista Mundial da Perseguição 2020.

Folha Gospel com informações de CBN News