Frase
Frase "In God We Trust" no dólar americano

Os ateus que não conseguiram remover o lema nacional “In God We Trust” (“Em Deus confiamos”) das moedas e notas dos EUA após uma derrota no tribunal de apelações, classificaram sua derrota de “totalmente revoltante”.

O Tribunal de Apelações dos EUA em St. Paul, Minnesota, confirmou por 3 a 0, a decisão de dezembro de 2016, que concluiu que o lema nacional sobre dinheiro não violava a liberdade de expressão e os direitos religiosos.

No caso conhecido como “New Doe Child # 1 vs. Congresso dos Estados Unidos”, 27 indivíduos que são ateus ou filhos de ateus, juntamente com duas organizações ateístas, declararam que “definitivamente não confiam em Deus”.

O juiz Raymond Gruender, explicou que o lema não constituía um estabelecimento de religião, no entanto, e rejeitou o argumento de que os ateus estão sendo forçados a defender uma mensagem que vai contra suas crenças.

Gruender concordou com a decisão de 2016 que os argumentos de que “Em Deus Confiamos” em dinheiro transforma uma prática constitucional em um estabelecimento inconstitucional de religião é “muito simplista”.

“A Constituição não impede o governo de promover e ‘celebrar nossa tradição de liberdade religiosa’, mesmo que os meios para fazê-lo — aqui, acrescentando o lema nacional ao dinheiro dos EUA —tenham sido motivados em parte por causa do sentimento religioso. Colocar ‘Em Deus Confiamos’ na moeda é consistente com as práticas históricas”, acrescentou.

Michael Newdow, advogado que representa os ateus, disse à Reuters em um email que é “totalmente revoltante” que “a história da denegação governamental de uma classe suspeita supere o princípio” de que a neutralidade seja a pedra de toque Cláusula de Estabelecimento da Primeira Emenda.

O escritório de advocacia sem fins lucrativos Becket disse que crucial para a decisão do Oitavo Circuito foi o argumento do grupo jurídico em um caso da Suprema Corte de 2014, que declarou que todas as decisões da Cláusula de Estabelecimento devem se alinhar com a história dos EUA sobre religião na praça pública.

“A boa notícia é que você não precisa mais ter medo de que os centavos no seu bolso sejam drogas para a teocracia”, disse Diana Verm, conselheira do Becket.

“O Tribunal estava certo em dizer que a Primeira Emenda não proíbe a frase ‘Em Deus Nós Confiamos’. Por muito tempo, o país ficou preso no que o juiz [Neil] Gorsuch descreveu como ‘o purgatório da cláusula de estabelecimento’. A decisão do tribunal hoje é um grande passo para corrigir as coisas”, acrescentou.

Newdow falhou no passado em vários desafios de litígio contra a frase “sob Deus” na Promessa de Fidelidade dos EUA.

Becket argumentou que o advogado ateu opera sob o chamado teste Lemon, da Suprema Corte, conhecido como “Lemon vs. Kurtzman” de 1971, em vez do mais recente caso da Cláusula de Estabelecimento da Suprema Corte, “Cidade da Grécia vs. Galloway” em 2013.

A frase “Em Deus Nós Confiamos” tem estado no centro de muito debate no país. Em agosto, entrou em vigor um extenso projeto de lei de educação sancionado pelo governador da Flórida, Rick Scott, que exigia que todos os prédios da escola no estado exibissem o lema nacional.

A integrante da Casa Democrática da Flórida, Kimberly Daniels, que patrocinou o projeto, disse em março que “algo tão grande não deveria ser escondido”.

Chris Walker, um pastor do condado de Lake, testemunhou o projeto de lei: “Este lema faz parte de nossa história, faz parte de nossa nação. Os princípios em que nos apoiamos e nossos antepassados ​​foram em Deus em quem confiamos”.

Fonte: The Christian Post