Templo da Igreja Universal em Manaus (AM)
Templo da Igreja Universal em Manaus (AM)

Jullie Pereira
Amazonas Atual

Após pressão da bancada evangélica da Assembleia Legislativa do Amazonas, o governador Wilson Lima, decidiu incluir a reabertura das igrejas entre os serviços não essenciais que voltam a funcionar na próxima segunda-feira, 1º de junho.

A inclusão das igrejas foi anunciada em entrevista coletiva na noite dessa quarta-feira, 27.

De acordo com o governador, os religiosos se comprometeram a respeitar as medidas de higiene e de distanciamento social. Eles devem realizar os cultos com capacidade máxima de 30%, com duração de uma hora e meia e com intervalo de, no mínimo, 5 horas entre um e outro.

“Reuni hoje (ontem) o dia todo com pelo menos 20 lideranças religiosas pra fazer esse apelo a eles. Reuni com os deputados da frente evangélica na assembleia e também com vereadores da câmara, que também têm esse compromisso de garantir que esses procedimentos de distanciamento social e uso de máscara sejam respeitadas”, disse o governador.

Na coletiva vários pastores estavam presentes e durante a fala do governador faziam acenos positivos com a cabeça e murmuravam concordando. Lima justificou sua decisão alegando que os pastores conseguem “controlar os fiéis” o que seria importante neste momento da pandemia.

“O objetivo do estado em nenhum momento é proibir quem quer que seja ou fazer com que as pessoas fiquem segregadas. Nós tomamos essas decisões baseadas em alguns critérios, dentre eles a de controle sobre determinado segmento. Na igreja, por exemplo, nós temos as lideranças religiosas que conseguem muito bem controlar ali os fiéis”, disse.

Wilson Lima também admitiu que foi convencido pela frente parlamentar evangélica, formada por deputados federais e estaduais, após as lideranças conseguirem fazê-lo entender o “papel social” das igrejas.

“Tenho conversado muito com a frente parlamentar evangélica, tanto com deputados federais e também com deputados estaduais, entendendo o papel social fundamental da igreja. Não é só a questão espiritual, mas também o atendimento social, principalmente aqueles dependentes químicos, o papel pra garantir segurança alimentar das pessoas”, disse.

O governador analisou que as igrejas são fonte de apoio psicológico e até mesmo médico, e frisou a quantidade de religiosos que o estado possui.

“Geralmente, quando alguém tem um problema, acaba correndo para uma igreja e aí as pessoas encontram na igreja um médico, um psicólogo, o pastor acaba sendo um tudo pra poder atender aquela pessoa. A igreja tem um papel fundamental para levar pras pessoas um acalento, a esperança, então é muito importante levando em consideração que o nosso povo é um povo muito religioso”, disse.

Apesar de não estarem oficialmente inclusos no primeiro ciclo de abertura do comércio, os shoppings também devem reabrir no dia 1º de junho. Lojas de roupas, de móveis e colchões, lojas de artigo para casa, joalherias, óticas, bancas de revistas, todas as opções que estão no plano e dentro dos shoppings estarão disponíveis.

O planejamento inclui como medida restritiva a lotação máxima de 50% do shopping, respeitando distanciamento social, higienização constante, remoção de lixo, filas controladas por marcação, etc. Anteriormente os shoppings estavam funcionando com algumas lojas atendendo por retirada individual dos clientes.

Fonte: Amazonas Atual