O encarregado especial da Conferência Episcopal Alemã (DBK) para questões inerentes a casos de abusos sexuais, Stephan Ackermann, que é bispo de Treviri, afirmou que a Igreja Católica é culpada por “ocultar” episódios ocorridos em instituições católicas.

“Com base em informações que temos atualmente, houve tentativa de ocultar”, disse Ackermann. A afirmação consta de uma entrevista publicada pelo jornal alemão “Rhein Zeitung” em sua página de internet.

“Devemos assumir isso com dor. Não houve a vontade real de esclarecer [os fatos], e os acusados foram simplesmente transferidos”, explicou o bispo.

Na última sexta-feira, os casos de pedofilia envolvendo religiosos alemães foram discutidos pelo presidente da DBK, Robert Zollitsch, em um encontro com o papa Bento 16.

Após a reunião, Zollitsch revelou que o pontífice havia aprovado as medidas que seriam tomadas com relação ao tema.

No início da semana passada, causou polêmica uma declaração da ministra da Justiça da Alemanha, Sabine Leutheusser-Schnarrenberger.

Ela afirmou que a Santa Sé teria dificultado as investigações sobre casos de pedofilia vinculados a sacerdotes erguendo um “muro de silêncio” nas instituições católicas.

Em resposta, o bispo de Regensburg, Dom Gerhard Ludwig Muller, definiu a acusação como “falsa e difamatória”.

Recentemente, vieram à tona notícias de casos de abusos sexuais que teriam ocorrido em escolas jesuítas alemãs nas décadas de 1970 e 1980 e no coro da catedral de Regensburg, que foi dirigido pelo irmão do papa Bento 16, Georg Ratzinger, durante trinta anos.

Fonte: Folha Online