Cristãos no Egito
Cristãos no Egito

A Igreja Copta Ortodoxa do Egito anunciou neste domingo a morte em circunstâncias “incertas” do bispo Epifanius, diretor do Grande Monastério de São Macário, na cidade de Wadi El Natrun.

Em comunicado, Bolus Halim, o porta-voz oficial da Igreja, afirmou que “a incerteza que cerca a morte” de Epifanius demanda das autoridades competentes uma investigação para esclarecer os fatos.

Apesar de a Igreja Copta não levantar a possibilidade de o religioso ter sido assassinado no mosteiro, onde moram 100 monges, a imprensa egípcia diz que ele foi encontrado com ferimentos no início da manhã.

O jornal oficial “Al-Ahram” informou que o Ministério Público de Wadi El Natrun determinou a investigação do caso para que seja “esclarecida a autoria” do suposto crime.

De acordo com a publicação, os primeiros indícios apontam que a vítima foi achada morta com uma fratura na nuca no mosteiro, que foi fundado no ano 360.

Em entrevista à Agência Efe, o chefe do programa de Liberdade de Religião e Credo da ONG Iniciativa Egípcia para os Direitos Pessoais, Ishaq Ibrahim, disse que o padre Epifanius era “reformista” e com frequência era convocado por outras igrejas para debates, mas que no mosteiro existia outra corrente mais rígida.

Os coptas são a maior comunidade cristã do Egito, onde representam cerca de 10% da população de 100 milhões de habitantes. Em muitas ocasiões foram alvos de ataques de grupos extremistas ou de cidadãos muçulmanos sunitas.

Fonte: EFE via UOL