Bispo William Love, da Diocese Episcopal de Albany
Bispo William Love, da Diocese Episcopal de Albany

Um bispo da Igreja Episcopal foi punido por se recusar a permitir casamentos gays em sua diocese.

O bispo William Love, da Diocese Episcopal de Albany, teve seu ministério oficialmente restringido pela igreja nacional devido a sua recusa em impor uma resolução recentemente promulgada permitindo que as congregações em seu corpo regional abençoassem os casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

“Durante o período desta restrição, o Bispo Love, agindo individualmente, ou como Bispo Diocesano, ou de qualquer outra forma, está proibido de participar de qualquer maneira no processo disciplinar da Igreja na Diocese de Albany em qualquer assunto com relação a qualquer membro do clero que envolve a questão do casamento entre pessoas do mesmo sexo ”, declarou o Bispo Presidente Michael Curry, chefe da Igreja Episcopal.

Em resposta à decisão presidencial do Bispo Curry, o Bispo Love disse em uma carta oficial divulgada na sexta-feira passada que estava planejando desafiar a ação disciplinar.

Love também observou que seu apelo serviu ao propósito adicional de tentar derrubar a resolução aprovada no ano passado que obrigava sua e outras dioceses a permitir casamentos gays.

“Eu já informei verbalmente ao Gabinete do Bispo Presidente de meus planos. Isso será seguido em breve por um apelo escrito oficial, conforme exigido pelos Cânones ”, escreveu Love.

Love também explicou que durante o processo de apelação ele respeitará a decisão que restringe parcialmente seu ministério, mas acrescentou que ele “não mudou meu entendimento ou ensino sobre o sacramento do Santo Matrimônio”.

Em novembro passado, o Bispo Love publicou uma carta pastoral explicando que cerimônias de casamento entre pessoas do mesmo sexo não ocorrerão em sua diocese, apesar da Resolução B012.

“Jesus está chamando a Igreja para seguir Seu exemplo. Ele está chamando a Igreja para ter a coragem de falar a Sua Verdade em amor sobre o comportamento homossexual – mesmo que não seja politicamente correto”, escreveu Love.

“As relações sexuais entre dois homens ou duas mulheres nunca fizeram parte do plano de Deus e são uma distorção do Seu desígnio na criação e como tal devem ser evitadas. O envolvimento na intimidade sexual fora do casamento entre homem e mulher também é contra a vontade de Deus. e, portanto, pecaminosa e precisa ser arrependida, NÃO encorajada ou informada que está tudo bem”.

Love também disse que acredita que tanto sua denominação quanto a sociedade ocidental global “foram sequestradas pela ‘agenda dos direitos gays'”, e que os episcopais pró-LGBT foram “convencidos em acreditar em uma mentira que foi plantada na Igreja pelo ‘grande enganador ‘- Satanás.”

Fonte: The Christian Post