Deputada Federal Flordelis, na Câmara dos Deputados, em Brasília
Deputada Federal Flordelis, na Câmara dos Deputados, em Brasília

A Câmara decidiu nesta quarta-feira (11) pela cassação do mandato da deputada Flordelis (PSD) por quebra de decoro parlamentar. Foram 437 votos pelo afastamento definitivo, sete contra e 12 abstenções.

A parlamentar é apontada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro como mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, em junho de 2019.

Atualmente, Flordelis é ré por homicídio triplamente qualificado, tentativa de homicídio, uso de documento falso e associação criminosa armada.

A ex-deputada tem sido monitorada por tornozeleira eletrônica desde o ano passado.

No início de junho, o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar recomendou, por 16 votos a 1, a perda do mandato de Flordelis, acompanhando o parecer do relator Alexandre Leite (DEM-SP). Para que a cassação fosse confirmada, eram necessários os votos de pelo menos 257 deputados — maioria absoluta — em votação aberta e nominal.

A defesa de Flordelis chegou a tentar, no Supremo Tribunal Federal, suspender a sessão, mas não conseguiu. Assim, ela foi pessoalmente ao Plenário se defender e reafirmar sua inocência, dizendo que sairia de lá de cabeça erguida.

“Quando o tribunal do júri me absolver, vocês vão se arrepender de ter cassado uma pessoa que não foi julgada”, disse a deputada.

O relatório elaborado pelo deputado Alexandre Leite (DEM) aponta que a parlamentar não conseguiu provar a inocência. Segundo o documento, Flordelis tentou usar o mandato para cooptar um dos filhos para assumir a autoria do crime, era a única da família com recursos para comprar a arma e também teria abusado de prerrogativas parlamentares.

Sete filhos da deputada foram presos acusados de envolvimento no caso. Hoje, ela é por tentativa de homicídio, uso de documento falso, homicídio triplamente qualificado e associação criminosa armada, mas não pode ser presa em razão da imunidade parlamentar.

Por determinação da Lei da Ficha Limpa, além de perder o cargo, Flordelis ficará inelegível e seu suplente será Jones Moura (PSD).