Cristãos angolanos oram a Deus. (Foto: Reprodução / AG News)
Cristãos angolanos oram a Deus. (Foto: Reprodução / AG News)

Em 2002, quando Ron e sua esposa Donna – junto com as filhas Breanna e Brooke – começaram o serviço missionário na nação da África Ocidental, Angola, o país estava saindo de 27 anos de guerra civil.

“Todos os dias durante esses 27 anos, os seguidores angolanos de Jesus agonizaram em oração,” diz Donna. “Eles nos disseram que viviam cada dia como se fosse o último. Até hoje, muitos ainda compram comida suficiente para o dia inteiro.”

Agora, 18 anos depois, Ron e Donna veem uma tremenda fecundidade naqueles anos de orações agonizantes dos crentes angolanos.

“A fome espiritual de Angola surpreende-nos”, diz o casal de missionários. “As igrejas estão explodindo pelas costuras. Jesus é a pedra angular da vida das pessoas. Mesmo assim, muitos pastores nem mesmo têm Bíblias; e se o fizeram, alguns não puderam lê-los porque nunca aprenderam como.”

Crentes humildes durante anos de horror, guerra e pobreza foram mantidos com firmeza por seu Deus fiel e vitorioso. Agora a libertação está varrendo a nação, e o espírito de medo que há muito apoderou-se de Angola está sendo derrotado.

Foco no Deus fiel

O terror que assola Angola há séculos, dizem Ron e Donna, é impulsionado por antigas práticas religiosas baseadas em maldições e interação com espíritos demoníacos.

A religião cristã formal chegou aos exploradores europeus há quase 500 anos. No entanto, a religião formal não poderia resistir a tal escuridão, nem a décadas de guerra e dor. O sincretismo – a combinação de antigas práticas pagãs com rituais cristãos – impedia que as pessoas se apegassem ao verdadeiro evangelho. O animismo nas religiões tradicionais locais alimentou uma crença contínua em inúmeros seres espirituais capazes de ajudar ou prejudicar os interesses humanos.

“As religiões africanas locais governam Angola”, diz Donna. “A maioria dos angolanos está envolvida com algum tipo de feitiçaria, a menos que tenham verdadeiramente, poderosamente encontrado Jesus, compreendido conceitos bíblicos genuínos e sido libertados. Só então eles se separam da bruxaria e do medo que ela traz.”

Ao chegarem a Angola, Ron saía pela porta todas as manhãs para encontrar mechas de cabelo e outras coisas estranhas dispostas em padrões estranhos no degrau da frente. Perplexo, ele varreu a bagunça. Finalmente um crente angolano viu os itens e gritou: “Pastor Ron, isso é bruxaria! Alguém está tentando lançar uma maldição sobre você e sua família! Você não está com medo?”

“Eu disse a ele que Deus é muito mais poderoso do que o inimigo”, diz Ron, “e que o foco deve permanecer Nele. A libertação e a maturidade vêm quando somos capazes de nos concentrar em Deus e em Sua Palavra, não nas tentativas e ataques do diabo”.

Ron e Donna não podiam imaginar como essas palavras de fé seriam testadas durante os anos que passaram em um país de escuridão espiritual, violência e corrupção. Durante 10 anos, como medida de precaução, só saíram de casa acompanhados por crentes angolanos.

Um acampamento de anjos

Uma noite, dois meses depois de chegar a Angola, Ron e Donna estavam deitados na cama, sem conseguir dormir.

“Estávamos inquietos e apenas deitados agradecendo a Deus por todos que conhecíamos orando por nós”, lembra Ron. “Então, uma torneira veio em nossa janela.”

Um colega angolano os estava alertando que um dos guardas armados do lado de fora da casa dos Mueller havia levado um tiro e estava morrendo. Ron saltou da cama e correu para o lado do guarda ferido.

“Ele estava chorando”, lembra Ron. “Ele estava preocupado com quem cuidaria de sua família.”

Depois de enfaixar as feridas do homem o melhor que pôde, Ron pegou o AK-47 caído e ficou com o guarda restante até que ficou claro que os agressores não voltariam. Milagrosamente, o guarda ferido sobreviveu e soube que Deus havia intervindo em seu favor.

“Quando chegamos aqui, não entendi por que os cristãos locais se cumprimentam dizendo: ‘Graças a Deus passamos bem a noite’”, diz Donna. “Depois do tiroteio, eu entendi. Febres, ladrões e outros males acontecem frequentemente durante a noite, então acordar todas as manhãs é considerado um presente.”

Em outro episódio sobrenatural, as duas filhas dos Mueller quase morreram afogadas.

“A nossa filha mais velha foi arrancada do mar por um homem angolano”, diz Donna. “Um colega missionário estava tentando localizá-la na água, mas não conseguiu. Quando ele os alcançou e se virou para agradecer ao homem, ele havia sumido. Ninguém mais o viu.”

Em uma noite, a própria Donna viu uma presença angelical intervir na situação deles.

“O espírito de medo que reinava em Angola começou a apegar-se a mim”, diz ela. “Certa noite, eu estava olhando pela janela, por cima de um muro curto de cimento e pela grama alta. Eu vi um homem angolano em uma camisa branca brilhante para fora da calça. Todos os outros homens angolanos enfiam as camisas para dentro. Ele patrulhava lentamente perto de nossa casa. Eu me virei para ligar para Ron para vê-lo e quando voltei, o homem havia sumido.”

Ao mesmo tempo, os Mueller receberam um e-mail de Ethel, uma apoiadora da Califórnia. Ela escreveu: “Não sei o que está acontecendo lá, mas estou orando por você e vi quatro anjos vestidos de branco e em posição de sentido, acampados em cada canto de sua casa.”

Depois desse evento, Donna diz que tomou as palavras do Salmo 91 como suas. Ela diz: “Minha confiança tinha que ir fundo em quem Deus é, embora eu não sentisse isso”.

Fé além da emoção

“Não seremos apanhados pela turbulência”, diz Ron. “Estes são dias caóticos e instáveis, e é hora de buscar o coração e a mente de Deus e conhecer o Seu caminho. Do contrário, ficaremos ansiosos e com medo e agiremos como aqueles que não têm esperança. A solução é manter o foco na face de Deus.”

“Os crentes angolanos nos ensinaram mais do que poderíamos ensiná-los”, diz Donna. “Eles viram tudo ser arrancado e isso os deixou com um nível impressionante de fé e confiança em Deus. Por exemplo, há atendimento médico muito precário aqui, não há 911 ou ambulâncias. Portanto, eles têm plena confiança de que Deus os curará ou eles irão para o céu. Eles vivem em extrema pobreza, sem água encanada ou eletricidade confiável. Eles fazem poucos planos para o futuro. Mas eles acordam agradecendo a Deus todas as manhãs. Seu foco está em Deus, e quão maior Ele é do que o inimigo derrotado.”

Ron e Donna identificam o poder da oração como o fio condutor ao longo de muitos anos turbulentos em Angola – incluindo as orações guerreiras de apoiantes em casa nos Estados Unidos, as orações fiéis dos crentes angolanos e as suas próprias vidas de oração.

“A luta de Greg Mundis com Covid-19 nos lançou em uma temporada de intensa oração”, diz Donna. “Estamos trancados em nossa casa desde 19 de março e fomos acordados para o fato de que estávamos ocupados para o Senhor, mas não passávamos tempo com Ele. Estamos gratos por termos sido acordados.”

Ron acrescenta: “Mesmo durante o bloqueio, que é bastante intenso, incluindo guardas armados, tanques e sobrevoos de helicóptero, somos visitados por várias pessoas todos os dias. E não os deixamos sair sem orar Salmos 112: 7: ‘Eles não terão medo de más notícias; seus corações estão firmes, confiando no Senhor. ‘Em tempos de tanto medo e raiva, temos que ser pessoas de oração. Este é o momento de orar e buscar o coração de Deus e agir com compaixão, especialmente para com aqueles que não sabem quem são ou porque estão agindo como são”.

“Vemos tempos de intensa guerra espiritual”, diz Donna. “Não percebíamos anteriormente a intensidade que acompanha a forte presença e atividade do inimigo, incluindo tensões, lutas e divisão, mesmo entre os seguidores de Cristo. Ungimos nosso composto com óleo, orando pela proteção de Jesus a cada momento.”

“Apoiamo-nos nos ombros daqueles que vieram antes de nós, incluindo missionários corajosos que fundaram a faculdade bíblica (em que campus moramos) durante a guerra civil. Nossas maiores orações são para que mais missionários venham”, diz Ron.

“Queríamos parar às vezes”, admite Donna, “mas sabíamos que não poderíamos enfrentar aqueles que estão orando e nos apoiando – como Nadine, que aos 75 anos estava limpando casas para poder sustentar os missionários como nós.”

Apoiados por Deus, Ron e Donna também veem o exemplo dos cristãos angolanos, que ao longo de anos de sofrimento aprenderam a não ceder à pressão ou ao medo. Eles não olham mais para a direita ou para a esquerda, mas fixam os olhos em Jesus – o autor e aperfeiçoador de sua fé – e vivem em um lugar de profunda confiança.

Os Mueller notam uma convicção comum entre os crentes angolanos: “Não nos voltaremos para nenhuma direção fora de Deus. Não vamos nos curvar.”

“Esse é um lugar além de qualquer emoção. Esse é um lugar de fé”, conclui Ron.

Fonte: Guia-me com informações de AG News