Jovens que estão no Rio para a Jornada divergem de Francisco, admitem práticas como uso de camisinha e pílula, mas entendem que pontífice deve manter discurso.

Os católicos que foram anteontem à Jornada Mundial da Juventude, na praia de Copacabana, dizem adotar posturas mais liberais do que aquelas que eles acreditam que o papa Francisco deveria ter, segundo o Datafolha.

O deslocamento entre o pensamento dos fiéis e o que eles defendem para o pontífice fica evidente em questões como o uso de camisinha e pílula anticoncepcional, métodos condenados pela igreja para evitar a gravidez.

Enquanto 65% defendem o uso de camisinha, 55% dizem que o papa deveria assumir essa posição.

Fenômeno similar ocorre com a pílula: 53% afirmam aprovar o seu uso, mas o índice cai nove pontos percentuais (44%) quando se questiona se essa deveria ser a postura do papa.

Dois dias antes da pesquisa, o papa havia exortado os jovens a abandonar “ídolos passageiros”, como o prazer e o dinheiro.

Quanto mais polêmico é o tema para os dogmas católicos, menor é a diferença entre a posição do fiel e a que ele deseja para o papa.

A legalização da união de pessoas do mesmo sexo tem o apoio de um quarto dos entrevistados que foram a Copacabana, cerca de 25%. O índice cai quatro pontos percentuais (21%) quando se pergunta se o papa deveria apoiar essa medida.

A pílula do dia seguinte para evitar gravidez é aprovada por praticamente um terço dos peregrinos (32%), enquanto 28% dizem que o pontífice deveria assumir a defesa desse método.

Em temas como o aborto dentro dos limites da lei, casamento de padres e mulheres celebrando missas não há divergência, praticamente, entre o que os fiéis defendem e o que eles acreditam que deveria ser a posição do papa.

Entre os peregrinos, 70% dizem participar de movimentos da igreja. Os que têm mais seguidores são a Renovação Carismática (21%) e as diversas pastorais (16%).

Apesar de ser uma jornada mundial, só 12% dos participantes são estrangeiros. O predomínio é de fiéis de países vizinhos, como Argentina, a terra do papa, e Chile, ambos com 2% entre os 865 mil que passaram pelo megaevento, segundo medição feita pelo Datafolha.

O levantamento foi feito no Rio com 1.279 participantes. A margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos.

[b]Fonte: Folha de São Paulo[/b]