Cristã orando em uma igreja na China
Cristã orando em uma igreja na China

A China está criando um “sistema de perseguição para o futuro” que pode ser vendido para perseguir pessoas em todo o mundo, alertou o chefe da proeminente agência de vigilância cristã de perseguição Portas Abertas, nos EUA. 

O CEO da Portas Abertas, David Curry, acompanhado por pastores da China, emitiu um alerta terrível sobre como a China pode estar moldando o futuro da opressão internacional das minorias religiosas através do uso de tecnologias de vigilância para monitorar cristãos e outros seguidores religiosos. 

A Portas Abertas, que opera em 60 países, divulgou Lista Mundial da Perseguição 2020 na quarta-feira, em um evento com a participação de representantes do governo Trump, do Congresso e de ativistas de direitos humanos. O relatório anual classifica os 50 principais países onde os cristãos são mais perseguidos.

Durante uma coletiva, Curry alertou que a “maior ameaça”, em sua opinião, aos direitos humanos em todo o mundo é a China, que subiu no ranking da posição 27 para a 23 no relatório de 2020.

Embora a nação comunista não tenha uma classificação tão alta quanto os outros violadores da lista, Curry enfatizou que as implicações estão no desenvolvimento da vigilância da China para controlar seu povo. 

“Suas implicações não são apenas para os cristãos na China, mas para todos os países e para a liberdade religiosa em geral”, disse Curry. “É como um quebra-cabeça. As peças estão lá, mas até você juntá-las é que você as vê claramente. Quando você vê claramente, é assustador.”

As peças deste quebra-cabeça, disse Curry, envolvem o uso da China de um sistema de pontuação social que classifica seus cidadãos com base em suas ações e a criação pelo governo de uma rede de câmeras de vigilância colocadas nas esquinas e nas igrejas. 

“Imagine um sistema em que os cidadãos recebam 2.000 pontos e toda vez que você fizer algo que o governo discorda, você será marcado”, detalhou Curry. “Eventualmente, sua viagem é restrita, seus filhos não entrarão nas melhores escolas. Você perde pontos por levar seus filhos à Escola Dominical. É assim que é para muitos cristãos na China.”

Curry viajou para a China há apenas algumas semanas. 

“Vi com meus próprios olhos a vigilância nas ruas, mas também nas igrejas, observando a congregação”, disse ele. “Varreduras faciais quando você entra e depois o rastreia e gera relatórios [com] suposições incorporadas ao sistema de inteligência artificial que acompanha o comportamento cristão”.

Curry disse que quanto mais uma pessoa é vista indo à igreja, mais frequentemente ela deve ser rotulada como “radical”.

“Eles estão fechando igrejas domésticas em uma taxa massiva – 5.596 igrejas fechadas, muitas porque se recusam a colocar câmeras de vigilância para assistir à sua congregação.”

O pastor Jian Zhu, que foi criado na China, mas agora é diretor do Instituto da China na Lincoln Christian University, em Illinois, disse aos presentes que a perseguição da China contra igrejas domésticas é agora a pior que ele já viu desde 1979. 

“O governo chinês agora impôs severas restrições e políticas às igrejas domésticas, pedindo aos vizinhos que espionassem uns aos outros, pressionando os professores a trair e assinar uma declaração para denunciar a fé dos colegas e fazer o mesmo com os estudantes, disse Zhu.

Zhu explicou que muitas igrejas são convidadas a derrubar cruzes dentro e fora de seus edifícios e colocar fotos do Presidente Xi Jinping no centro de seus estágios de culto. Igrejas subterrâneas também são acusadas de arrecadar fundos ilegalmente porque coletam ofertas de congregantes. 

Zhu disse que ouviu casos em que algumas cidades fecharam todas as igrejas domésticas.

“Agora, eles estão tentando eliminar o cristianismo da vida pública”, disse ele. “As câmeras estão instaladas para assistir a igreja e os cristãos que vão ao culto de domingo. As famílias são ameaçadas a não ir à igreja ou serão punidas ou seus parentes podem ter problemas.”

“Estamos todos ameaçados por isso: ateus, judeus, muçulmanos, todos”, disse Curry. 

“Eles estão usando essa inteligência artificial e vigilância para um nível totalmente novo”, acrescentou. “Todas as indicações mostram que em 2020 – e é por isso que estamos destacando isso – eles estão reunindo esses dois sistemas. Eles estão fundindo o sistema de pontuação social, a vigilância e a inteligência artificial para fornecer a eles as ferramentas e o poder de oprimir o povo. ”

“Isso já está acontecendo de uma maneira muito grave: não para os cristãos, mas para os muçulmanos uigures”, disse ele, observando que centenas de milhares, se não milhões, de muçulmanos uigures foram enviados para “centros de reeducação” no oeste da China.

“Os muçulmanos são forçados a abandonar sua fé e sua cultura. É apenas uma questão de tempo até que o mundo pule nessa tecnologia, porque a China está vendendo para o Irã, eles querem vendê-lo para o Egito e outros países também.”

“Eles estão criando um sistema de perseguição para o futuro e temos que alertar agora. Caso contrário, será tarde demais. Caso contrário, eles o venderão ao Irã e outros para oprimir suas minorias religiosas. É por isso que precisa ser realmente destacado. Dentro de cinco anos, será quase tarde demais para detê-los.

Curry disse que a Portas Abertas pediu à Casa Branca e outros que apoiassem a legislação proposta que, segundo ele, forneceria medidas para “controlar o uso da inteligência artificial e do reconhecimento facial em todo o mundo”.

Folha Gospel com informações de The Christian Post