Cristãos se reúnem clandestinamente em casas na China por não poderem frequentar igrejas. (Foto: Reprodução/Ásia News)
Cristãos se reúnem clandestinamente em casas na China por não poderem frequentar igrejas. (Foto: Reprodução/Ásia News)

O governo central da China intensificou sua repressão ao cristianismo nos últimos meses, pressionando os funcionários do governo local a manterem uma contagem do número de cidadãos que acreditam em Deus e os monitoram, de acordo com um novo relatório.

O PCC (Partido Comunista da China) está ameaçando os funcionários nas cidades e aldeias se o número estiver errado. Três funcionários do governo na cidade de Yongcheng, na província de Henan, foram suspensos em abril, quando seu relatório para o governo era muito baixo. 

“O governo está levando a questão da religião muito a sério agora”, disse um oficial do governo local não identificado na província de Henan a Bitter Winter, um site que monitora a liberdade religiosa no país. 

“Todos os dias, eles nos perguntam quantas pessoas em nossa aldeia acreditam em Deus. Se dissermos que não há crentes, eles alegam que estamos escondendo o que sabemos.

“Se for determinado que não denunciamos a situação com sinceridade, seremos punidos. Agora, temos que relatar nosso trabalho ao governo municipal duas vezes por dia. Também precisamos preencher um formulário à noite. Estamos tão ocupados que não temos tempo livre algum.”

Os três funcionários locais acabaram sendo reintegrados. 

“Atenção especial é dada a este trabalho. É como se nossas vidas estivessem sendo ameaçadas”, disse uma autoridade local. “Depois de denunciar alguém, temos que restringir seus movimentos e relatar sua situação todos os dias.”

Esta autoridade local que falou com Bitter Winter disse que Pequim teme que o número de cristãos esteja crescendo rápido demais e que os fiéis possam minar a mensagem do PCC – ou mesmo derrubar o governo central.

Pequim acredita que “medidas devem ser tomadas, e o número de crentes não pode continuar crescendo”, disse a autoridade local. 

Seguidores do budismo e do taoísmo também são monitorados. 

Funcionários do governo central usam uma plataforma de mensagens, o WeChat, para compartilhar informações sobre cristãos e seguidores de outras religiões. Por exemplo, durante a Dormição da Mãe de Deus do ano passado – uma festa católica em 15 de agosto – os funcionários do governo local foram orientados a monitorar os cidadãos que eram católicos. Uma mulher católica que estava tomando um ônibus para uma cidade próxima para celebrar a festa foi interceptada e voltou para casa, segundo um funcionário da província de Jiangxi.

“As autoridades do governo têm um grupo WeChat”, disse o oficial em Jiangxi a Bitter Winter. “Tudo é enviado para ele: as últimas ordens de autoridades superiores, o status de inspeções regulares de locais religiosos, fotos de crentes e seus movimentos durante feriados religiosos, atividades em locais fechados para reuniões. 

Funcionários superiores podem facilmente verificar a situação religiosa em áreas locais. Eles podem até lidar com qualquer assunto, independentemente da importância, e realizar monitoramento remoto em tempo real.”

Folha Gospel com informações de Christian Headlines