Tim Tebow é um jogador de futebol Americano, um dos destaques da NFL (liga profissional dos Estados Unidos) desse ano. Tebow nasceu nas Filipinas, enquanto seus pais serviam como missionários naquele país.

Durante a gravidez, sua mãe foi acometida por uma séria infecção e por conta dos medicamentos que teve que tomar, os médicos chegaram mesmo a surgir um aborto dado o grande risco que ela e o bebê estavam correndo. Ao contrario dos conselhos médicos, os pais de Tebow recusaram o aborto e decidiram levar a gravidez a termo.

Tebow e seus quatro irmãos foram todos educados pelo sistema “home schooling”, onde as crianças não vão para escolas e recebem educação em casa através de seus pais. Assim, Tebow não passou pela tradicional escola de futebol nas high-schools americanas. Mesmo assim, ele conseguiu se destacar no futebol universitário e ganhou dois títulos da primeira divisão da NCAA (associação de esportes universitários dos Estados Unidos). Ano passado, Tebow foi contratado como quarter-back pelos Denver Broncos, time NFL e esse ano vem fazendo uma temporada espetacular, decidindo muitos jogos no ultimo minuto.

Tebow é um cristão convicto e expressa sua fé abertamente em todas as oportunidades que tem. Seja em entrevistas ou no seu web site, ele está sempre dando testemunho sobre seu amor por Cristo e suas convicções religiosas. Quando ainda era jogador universitário, costumava escrever passagens bíblicas naquela faixinha de graxa que os jogadores de futebol americano passam embaixo dos olhos para evitar reflexos da iluminação. A NCAA após varias reclamações, resolveu proibir qualquer tipo de slogan ou frase nessa região, criando a regra conhecida como “Tebow rule”. Mesmo assim, sempre que faz um grande lançamento ou um ‘touch-down’, o gol no futebol americano, Tebow costuma se ajoelhar e agradecer à Deus. Esse hábito gerou o termo “Tebowing”, trocadilho que os jornalistas americanos gostam de usar.

O testemunho de Tebow causa certo desconforto para determinado segmento da sociedade americana, cada vez mais secularizada e politicamente correta; os mesmos ultra liberais que querem tirar Cristo do Natal se incomodam ao ver um testemunho tão direto em rede nacional. Pois justamente na véspera de Natal quando o time de Tebow levou uma surra do Buffalo Bills por 40-14, um desses extremistas, o comediante Bill Maher, entrou no twitter para fazer comentários de extremo mau gosto. Maher, que é famoso por seu ateísmo e ataques a religiosos em geral, como seu filme “Religolous” mostra bem claramente, usou o nome de Jesus de uma forma muito ofensiva (não dá nem para mencionar aqui) e disse que “em algum lugar do inferno, Satanás deve estar ‘Tebowing’ e dizendo para Hitler: ‘hey, os Buffalos estão acabando com eles…” O post de Maher gerou uma enorme reação na comunidade cristã americana e até mesmo jornalistas de esquerda vieram à público condenar Bill Maher pelo seu exagero. O fato gerou até um movimento propondo um boicote à rede de tv por assinatura HBO, onde Maher tem um programa de entrevistas. Claro que Maher não está nem um pouco preocupado com a reação alheia e a ameaça de boicote e parece que conseguiu o que queria: gerar escândalo.

Tebow de forma muito elegante e inteligente resolveu não falar sobre o assunto e continua sua trajetória vitoriosa na NFL. Hoje mesmo, acabei de assistir ao jogo dos Broncos contra os Steelers de Pittsburgh , onde Tebow teve uma participação extraordinária, levando os Broncos a uma inesperada vitória na prorrogação com um lançamento preciso no ultimo minuto. Só mesmo Tebow pra me fazer assistir a um jogo de futebol Americano… Mas no final eu até que gostei bastante, principalmente da transmissão da tv americana, que é um verdadeiro show, com muita informação interessante e analises inteligentes e sem aquele histrionismo característico das transmissões “Galvaneanas” da Globo. Eles conseguem transformar um jogo extremamente confuso e complexo em um espetáculo fácil de assistir.

Bill Maher deve ter torcido muito contra o time de Tebow para poder continuar sua zombaria gratuita e agora vai ter que ficar de boca fechada por alguns dias. Mas, o que Maher na sua ignorância não consegue compreender é que para Tebow vitórias e derrotas dentro das quatro linhas (se bem que campo de futebol americano tem bem mais que quatro linhas, parece mais uma régua de engenheiro…) são inerentes à sua profissão da mesma forma que sucessos e fracassos fazem parte de qualquer carreira. Tebow agradece pelos lançamentos e touch-downs da mesma forma que um empresário Cristão faria por um projeto bem sucedido, ou uma promoção. O que importa mesmo para Tebow é testemunhar sobre sua fé em Cristo em qualquer circunstância, na vitoria ou na derrota. Se Bill Maher acha que somente quando os Broncos ganham o jogo é que Tebow engrandece o nome de Deus, quebrou a cara; e com seu post ofensivo acabou por proporcionar ainda mais oportunidades para Tebow testemunhar com palavras e ações a sua fé em Cristo.

Que isso sirva de exemplo para os nosso atletas de Cristo que acham que testemunhar é apenas levantar os dedos para o céu quando fazem um gol.

Um abraço,

Leon Neto