Realmente há impedimento na fala?

O conceito de fala é algo a ser compreendido no processo de comunicação. Segundo Vygotsky:

“o momento de maior significado no curso do desenvolvimento intelectual, que dá origem às formas puramente humanas de inteligência prática e abstrata, acontece quando a fala e a atividade prática, então duas linhas completamente independentes de desenvolvimento convergem (VYGOSTKY, 2010, p.12)”.

A partir do nascimento, (alguns estudiosos afirmam que até antes), começa-se a ouvir todos que estão próximos pelo processo de imitação. Associado com o desenvolvimento físico, inicia-se a repetição do que se ouve. Nasce a fala, no início restrita, com poucas palavras, que em geral, servem para várias situações e objetos. Tudo isso dependendo do contexto e das situações relacionadas com a linguagem.

Por esse processo a oralidade irá se transformar em linguagem simbólica, a partir do momento em que as habilidades de leitura e escrita passam a ser dominadas.

O texto de Vygostky continua tratando a fala sob o ponto de vista da fonologia, da morfologia, da sintaxe da língua e das regras de uso da linguagem, reguladoras em contextos sociais como mais importantes no que diz respeito às funções e intenções comunicativas. Veremos agora, a fala a partir da linguagem do desejo. Nesse contexto, a fala enquanto linguagem nada mais é do que um porta voz desse desejo, desejo este que ao passar pelo desfiladeiro da linguagem é nomeado. Sendo esse desejo nomeado pela linguagem, é a fala que se torna o seu porta voz.

Esta abordagem, da fala como linguagem de desejo, encontramos nos escritos do psicanalista Lacan. Nesses escritos, encontra-se, também, que a função da linguagem tem relação com a estrutura do inconsciente, abordada por Lacan em vários de seus artigos e seminários.

Lacan, 1985 p.27, “considera que o inconsciente é estruturado como uma linguagem”. Assim, ele coloca em cena a importância da fala.

Na leitura psicanalítica o não dito tem mais valor que o dito, pois o não dito fala mais sobre o sujeito do que propriamente o dito. Entende-se, assim, que não pode haver impedimento na fala, e consequentemente na comunicação. Assim, até o não dito, que se apresenta em forma de sintomas, pode comunicar algo bem maior, que não se utiliza do discurso oral para se fazer compreender.

Vê-se, então, que a fala, do ponto de vista cognitivo, não se faz porta voz do desejo, porque este fica subtendido, oculto na palavra, à mercê da interpretação de cada pessoa.

Helena Chiappetta

Artigo anteriorQUANDO A ADVERSIDADE É A INJUSTIÇA
Próximo artigoA Autonomia Constitucional do Direito Religioso
Maria HELENA Barbosa CHIAPPETTA Psicóloga Clínica (CRP-02/22041) Psicanalista Clínica (CORETEPE CRTP-1041-PE) FORMAÇÃO • Especialização em Psicopedagogia Clínica e Institucional. • Especialização em Ciências da Religião. • Bacharelado em Psicologia. • Licenciatura em Pedagogia. • Licenciatura em Filosofia. • Bacharelado em Teologia. EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL • Tem experiência no ensino do Hebraico Bíblico, Psicologia Geral, Educação Religiosa, Artes, Teologia com ênfase em Ciências da Religião Aplicada e Liderança Institucional. • Professora convidada no curso de formação em psicanálise da SNTPC. Professora auxiliar do programa de pós-graduação em psicanálise e teoria analítica (Faculdade de Teologia Integrada – Fatin). Professora visitante na faculdade de Teologia Integrada FATIN (curso de teologia). ATIVIDADES PROFISSIONAIS ATUAIS • Atualmente é Docente no SEID Nordeste. • Leciona no SEID Uberlândia, em MG • Também tem-se dedicado ao estudo das neuroses atuais e dos transtornos da aprendizagem. INFORMAÇÕES ADICIONAIS • Autora do capítulo "A psicanálise na pedagogia: a transferência como facilitador ou inibidor no processo de ensino-aprendizagem", in Rosângela Nieto de Albuquerque (org.), Neuropsicologia e Saúde Mental: Reflexões Multidisciplinares, Tarcísio Pereira Editor, Recife, 2019, p. 221-230. Mulher Destaque na Sociedade Pernambucana - Destaque Defesa Animal pelo Partido Verde (2015). Endereços: • Consultório: Empresarial Camilo Brito – Sala 802 – Rua Arnóbio Marquês 253 – Santo Amaro – Recife – PE (ao lado do Hospital Oswaldo Cruz).
Comentários