Cristãos na Nigéria
Cristãos na Nigéria

Um novo relatório da organização cristã Portas Abertas, dos EUA, detalha as diferenças como homens e mulheres são perseguidos por sua fé em Cristo.

Helene Fisher, especialista em perseguição de gênero da Portas Abertas, dos EUA, co-autora do novo relatório sobre perseguição religiosa específica a gênero, testemunhou em um painel perante o Comitê de ONGs sobre Liberdade de Religião ou Crença das Nações Unidas, na semana passada, onde descreveu as descobertas em novo relatório.

A Portas Abertas é uma organização internacional sem fins lucrativos que trabalha em mais de 60 países para defender algumas das comunidades mais perseguidas do mundo.

Embora a perseguição cristã em todo o mundo pareça estar sempre aumentando, Fisher explicou que existem “maneiras completamente diferentes” nas quais homens e mulheres são perseguidos.

“Nós caracterizamos a perseguição dos homens como sendo focados e severos e visíveis”, disse Fisher. “E a perseguição às mulheres continua sendo complexa e escondida”.

Na maioria dos casos, a perseguição ocorre ao longo das linhas de como isso afetará negativamente seus papéis na sociedade.

Os homens cristãos estão sujeitos a várias formas de abuso e perseguição por sua fé. 

Entre eles estão o assédio econômico, o dever militar forçado, a tortura, a prisão, o afastamento e a vergonha. 

O assédio econômico é a principal forma de perseguição religiosa para os homens, de acordo com a Portas Abertas, que teve mais de 46 países respondentes fornecendo detalhes sobre a perseguição específica ao gênero dos homens.

A pressão econômica é frequentemente usada para tentar fazer com que os cristãos renunciem à fé em Cristo.

Segundo o relatório, 34 dos 46 países dizem que o assédio econômico foi usado para pressionar os cristãos e os convertidos.

Além disso, seis países foram acusados ​​de terem emitido multas como uma forma de pressão econômica sobre homens cristãos.

Os homens convertidos ao cristianismo em alguns países são frequentemente impedidos de obter empregos remunerados. Em muitos casos, essa pressão econômica atinge imediatamente a conversão de um homem.

No Nepal, de acordo com um pesquisador da Portas Abertas, os homens cristãos se sentem forçados a migrar para novas cidades, vivem sob uma nova identidade e são economicamente privados durante suas primeiras fases de vida perseguida.

“Depois de ser perseguida, a família muitas vezes sofre com uma renda reduzida, pois os homens e os meninos são severamente espancados e socialmente ostracizados”, afirmou o pesquisador.

Assim como é usado para perseguir mulheres, as vergonhas e evasivas são frequentemente usadas para atingir homens cristãos e suas famílias.

A exclusão é usada para impactar diretamente “a gravidade do assédio econômico sofrido”.

“Geralmente,os homens cristãos não podem mais vender suas coisas no mercado ou fazer parte da equipe nos campos”, explicou Fisher.

O impacto do afastamento pode ser ainda maior nas áreas rurais se os homens forem excluídos das formas tradicionais de cultivo.  

Em lugares como o Egito, donos de lojas muçulmanos pedem aos seus clientes muçulmanos que não comprem em lojas de propriedade cristã.

Violência física e tortura

A tortura e a violência física foram relatadas em 35% dos 46 países que relataram informações sobre a perseguição específica a homens.

Metade dos países juntou a menção à violência “com a inclusão da morte” como um passo que os agressores tomarão para pressionar um cristão a renunciar à sua fé.

A violência é frequentemente usada em conjunto com a vergonha e o ostracismo socioeconômico para perseguir famílias.

Um pesquisador na Somália diz no relatório, que homens e meninos foram agredidos verbalmente, agredidos fisicamente, torturados, queimados vivos, mortos a tiros e até mesmo tiveram seus negócios tomados apenas pela mera “suspeita de conversão”.

Tem havido inúmeras histórias de cristãos convertidos atacados ou mortos – seja por seus próprios familiares ou por membros enfurecidos de sua comunidade – simplesmente por se converterem ao cristianismo.

Encarceramento e recrutamento militar

Fisher acrescentou que outra tendência global que é mais voltada para garotos adolescentes é o recrutamento de milícias e o árduo serviço militar.

Segundo Fisher, o serviço militar é usado como uma forma de controlar os homens cristãos e coagi-los a “abraçar qualquer que seja a religião nacional natural”.

Homens cristãos em todo o mundo também são mais propensos a serem presos por sua fé, afirma relatório da Portas Abertas. O encarceramento também pode implicar “violência física e psicológica”.

“Vários analistas conectaram a prisão do governo com outros pontos de pressão, especificamente violência e dificuldades econômicas”, diz o relatório.

Na China, homens cristãos podem ser mantidos sob custódia por semanas ou meses, enquanto são traumatizados fisica e psicologicamente.

No Irã, a Portas Abertas relata que uma prisão pode ser usada como uma ferramenta para assediar economicamente homens cristãos. Após a conversão, os cristãos convertidos correm o risco de perder seus empregos, especialmente se forem presos.

Folha Gospel com informações de The Christian Post