As religiões poderiam fazer mais em resposta à pandemia de Aids? Para abordar esta questão mais de 450 representantes de organizações religiosas empenhadas em responder aos desafios do HIV e Aids estarão reunidos na Cidade do México, de 31 de julho e 2 de agosto, antecipando os debates da XVII Conferência Internacional sobre Aids.

“Não é possível solucionar a crise global do HIV e Aids sem a participação ativa das comunidades de fé”, disse o encarregado do programa de saúde do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Dr. Manoj Kurian. “Ainda que as igrejas e outras comunidades de fé ao redor do mundo estejam realizando uma contribuição crítica à superação da pandemia, requer-se de nós muito mais ação, uma ação em concordância com os ensinamentos e valores que nos guiam”, enfatizou.

Líderes religiosos, da sociedade civil e do âmbito governamental falarão durante a Pré-Conferência Ecumênica, dentre eles o embaixador holandês para a luta contra a Aids, Paul Bekker; o presidente da Federação Luterana Mundial e presidente da Igreja Evangélica Luterana na América, bispo Mark Hanson; o presidente da Comissão Social da Igreja Católica no México, monsenhor Gustavo Rodríguez; a diretora executiva da iniciativa sobre HIV e Aids da Igreja Saddleback, dos Estados Unidos, Kay Warren; o vice-presidente adjunto da Fundação Ford, Jacob Gayle; a representante da Rede Africana de Líderes Religiosos Vivendo com ou Afetados Pessoalmente pelo HIV e Aids (ANERELA+), pastora Patrícia Sawo; o diretor executivo adjunto do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Purnima Mane.

“Os grupos religiosos desempenham um papel central em muitas das áreas de resposta a Aids”, assinalou Linda Hartke, coordenadora da Aliança Ecumênica de Ação Mundial (Ecumenical Advocacy Alliance), entidade que liderou a organização da Pré-Conferência Ecumênica. “Esperamos que os participantes estejam inspirados, re-energizados e desafiados a expandir e fortalecer nossos esforços”, agregou.

As sessões plenárias agendadas para os três dias da Pré-Conferência enfocarão os obstáculos e oportunidades para atingir a meta de acesso universal à prevenção, cuidado e tratamento da Aids. As sessões incluirão temas como liderança, prevenção, violência, vulnerabilidade das crianças, estigma e discriminação.

“Tenho a expectativa de que a Pré-Conferência Ecumênica seja uma oportunidade para escutar àqueles que nas comunidades de fé lutam para conseguir um impacto real”, disse a coordenadora no CMI da Iniciativa Ecumênica sobre HIV e Aids na África, pastora Nyambura Njoroge. “Espero que os líderes religiosos e aqueles que têm o poder de tomar as decisões no mundo escutem o crescente número de vozes proféticas, vozes que surgem do centro da tormenta chamada HIV e Aids”, afirmou.

Realizada pela primeira vez na América Latina, a XVII Conferência Internacional sobre AIDS ocorrerá na Cidade do México, de 2 a 8 de agosto, e corresponde ao maior evento dedicado a um só tema de saúde.

Conhecida como “AIDS 2008”, a Conferência reunirá cerca de 25 mil participantes das comunidades acadêmica, científica e médica, bem como do setor privado, do governo, das organizações religiosas e da sociedade civil, membros de redes de pessoas soropositivas. Mais de 33 milhões de pessoas em todo mundo vivem com o HIV. O tema do Congresso 2008 é “Ação Universal Já!”

Fonte: ALC